Japão "preparado" para ameaça de bomba de hidrogénio

Coreia do Norte ameaça lançar bomba para o oceano Pacífico, em resposta ao discurso de Donald Trump

O ministro porta-voz do Executivo japonês, Yoshihide Suga, assegurou que o Japão "está preparado para esta situação", já que as autoridades estão "a vigiar com cautela" e classificou de "inaceitável" a ameaça do regime norte-coreano.

"O Japão fará todos os esforços necessários para proteger a segurança do povo japonês", disse, em conferência de imprensa.

O ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano, Ri Yong-ho, disse que o país poderia lançar, como teste, uma bomba de hidrogénio para o Pacífico, como parte da "resposta ao mais alto nível" com que o líder Kim Jong-un alertou os Estados Unidos.

"Pode tratar-se da mais poderosa detonação de uma bomba H no Pacífico", disse Ri aos meios de comunicação sul-coreanos no hotel em Nova Iorque, onde se encontra para assistir à assembleia-geral da ONU.

Ri respondeu deste modo quando questionado sobre a mensagem de Kim, que avisou o chefe de Estado norte-americano de que pagará caro o "excêntrico" discurso na ONU, em que Trump ameaçou destruir totalmente a Coreia do Norte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.