Pyongyang prepara plataforma para testemunhas do desmantelamento de base

Pyongyang estará a preparar uma plataforma onde os observadores poderão acompanhar em direto as manobras de desmantelamento do centro de testes nucleares

A Coreia do Norte está a instalar uma plataforma para que os observadores possam acompanhar o desmantelamento público do centro de testes nucleares.

Segundo a página online 38North, especializada em Coreia do Norte, as imagens de satélite da base nuclear Punggye-ri revelam a construção do que parece ser "uma plataforma de observação" para que se possa assistir ao desmantelamento das portas norte e oeste do centro.

Os especialistas, que assinalaram há dias que o desmantelamento do centro de testes nucleares está "muito avançado", confirmam agora os preparativos para a visita dos observadores e jornalistas estrangeiros (de Estados Unidos, China, Reino Unido, Rússia e Coreia do Sul) que vão ser testemunhas do encerramento definitivo da base, entre 23 e 25 de maio.

A Coreia do Norte anunciou que o fecho da base Punggye-ri passará pelo desmantelamento de túneis, recorrendo a explosões, pelo bloqueio das entradas e pela eliminação de todos os postos de vigia e instalações de observação e investigação.

A três semanas daquela que, se acontecer, será a primeira cimeira entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, o regime de Pyongyang qualificou o desmantelamento "voluntário" da base como um passo "muito significativo e importante", segundo a página online oficial DPRK Today.

O anúncio do fecho da base foi feito durante a cimeira entre as duas Coreias, a 27 de abril, tendo Pyongyang assumido o compromisso de caminhar para a "total desnuclearização" da península.

A Coreia do Norte realizou seis testes nucleares subterrâneos em Punggye-ri, tendo o último, em setembro do ano passado, sido o mais potente.

Muitos analistas duvidam das promessas norte-coreanas, até porque há precedentes: em 2008, Pyongyang derrubou uma parte do centro de reprocessamento de urânio mas continuou a desenvolver o seu programa nuclear.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.