Coreia do Norte diz que vai lançar mais satélites apesar da pressão internacional

A comunidade internacional vê nestes lançamentos um teste ilegal de mísseis de longo alcance, dada a semelhança entre a tecnologia dos foguetões e a dos mísseis balísticos intercontinentais

A Coreia do Norte garantiu esta segunda-feira que vai lançar mais satélites, apesar da pressão internacional, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento económico em virtude do "direito de explorar o Espaço" como nação soberana.

Pyongyang considerou que "promover o desenvolvimento económico através do desenvolvimento espacial" tem-se transformado "numa tendência internacional", pelo que, à luz do plano quinquenal sobre a matéria, irá proceder ao lançamento de mais satélites, incluindo um geoestacionário, de acordo com um artigo publicado pelo jornal oficial Rodong Sinmun.

O regime norte-coreano acusou Washington de obstaculizar tanto o seu programa espacial como o de países em vias de desenvolvimento, por via da imposição de "condições irracionais para impedir que concretizem as suas ambições" espaciais.

"Manipular as resoluções de sanções da ONU e impedir o desenvolvimento espacial de um Estado soberano legítimo constituem um ato inaceitável e uma violação dos seus direitos ao desenvolvimento", referiu o mesmo texto citado pela agência de notícias espanhola Efe.

A Coreia do Norte defende que "não há limites no universo infinito, como aqueles que existem nas massas de terra e nos mares" e que "o direito a explorar o universo está [nas mãos] dos países".

O hermético país asiático colocou em órbita dois satélites, o Kwangmyongsong-1 (Estrela Brilhante-1, nome que faz referência ao falecido Kim Jong-il, pai do atual líder) em agosto de 1998. Em fevereiro de 2016, lançou o Kwangmyongsong-4.

Enquanto Pyongyang reivindica o direito ao desenvolvimento espacial com fins pacíficos, a maioria da comunidade internacional vê neste tipo de lançamentos um teste encoberto e ilegal de mísseis de longo alcance, dado que a tecnologia dos seus foguetões é idêntica à dos mísseis balísticos intercontinentais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".