Coreia do Norte disposta a negociar com os EUA, diz Moscovo

Chefe da diplomacia russa transmitiu disponibilidade de Pyongyang para negociações diretas com Washington sobre armas nucleares.

A Rússia informou esta quinta-feira os EUA sobre a disponibilidade da Coreia do Norte para conversações diretas sobre as suas armas nucleares.

Em Viena, num encontro bilateral à margem da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), o russo Sergei Lavrov comunicou ao seu homólogo Rex Tillerson que Pyongyang pretende dialogar com Washington sobre garantias quanto à sua segurança.

"Sabemos que a Coreia do Norte quer, acima de tudo, falar com os EUA sobre garantias para a sua segurança", referiu Sergei Lavrov, citado pela agência noticiosa russa Interfax. "Estamos preparados para apoiar essas negociações, para as facilitar", precisou o chefe da diplomacia de Moscovo.

A aparente disponibilidade norte-coreana foi transmitida ao secretário de Estado norte-americano no dia em que um enviado da ONU - o norte-americano Jeffrey Feltman - foi recebido em Pyongyang pelo ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano.

Esta foi a primeira vez em seis anos que um alto representante da ONU visitou Pyongyang, no que é mais um sinal do crescente clima de tensão criado com os frequentes lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais e testes nucleares por parte da Coreia do Norte.

Há uma semana, o lançamento de um novo míssil balístico intercontinental, denominado Hwasong-15, cimentou a convicção de que o território continental norte-americano está ao alcance daquelas armas.

Acresce que a Coreia do Norte, perante o exercício aéreo conjunto entre a Coreia do Sul e os EUA (envolvendo centenas de aeronaves), declarou o início da guerra na península coreana como "um facto estabelecido".

"A pergunta que resta é a de saber quando é que a guerra rebentará", afirmou quarta-feira um porta-voz da diplomacia norte-coreana.

Ler mais

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.