Copiloto de um voo da American Airlines morreu durante a aterragem

Comandante declarou emergência médica a bordo quando faltavam cerca de três quilómetros para tocar na pista

O copiloto de um voo da companhia aérea norte-americana American Airlnes morreu na quarta-feira durante a aterragem em Albuquerque, no Estado do Novo México, avança a CNN.

Segundo a estação, o voo 1353, que descolara de Dallas com destino a Albuquerque, estava a pouco mais de três quilómetros da pista quando o comandante declarou uma emergência médica a abordo, explicou um porta-voz da Administração Federal de Aviação dos EUA.

A aeronave, um Boeing 737-800, acabou por aterrar sem quaisquer problemas e os serviços de emergência esperavam já a tripulação em terra. Segundo uma fonte citada pela CNN, os socorristas tentaram reanimar o copiloto, identificado como William "Mike" Grubbs, durante 40 minutos antes de declarar o óbito.

A aterragem de um Boeing pode ser feita apenas por uma pessoa de forma segura, ainda que o membro da tripulação que desempenhe todas as tarefas sozinho fique sujeito a maior stress e carga de trabalho.

Em comunicado, a American Airlines já frisou que lamenta profundamente a morte de Grubbs. Episódios como este, em que um dos membros da tripulação de um avião fica incapacitado e impedido de manejar os comandos, são extremamente raros. Mas, em 2015, um comandante da American Airlines de 57 anos morreu também durante um voo, entre Phoenix e Boston. O avião acabou por ser desviado para Nova Iorque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...