Copiloto de um voo da American Airlines morreu durante a aterragem

Comandante declarou emergência médica a bordo quando faltavam cerca de três quilómetros para tocar na pista

O copiloto de um voo da companhia aérea norte-americana American Airlnes morreu na quarta-feira durante a aterragem em Albuquerque, no Estado do Novo México, avança a CNN.

Segundo a estação, o voo 1353, que descolara de Dallas com destino a Albuquerque, estava a pouco mais de três quilómetros da pista quando o comandante declarou uma emergência médica a abordo, explicou um porta-voz da Administração Federal de Aviação dos EUA.

A aeronave, um Boeing 737-800, acabou por aterrar sem quaisquer problemas e os serviços de emergência esperavam já a tripulação em terra. Segundo uma fonte citada pela CNN, os socorristas tentaram reanimar o copiloto, identificado como William "Mike" Grubbs, durante 40 minutos antes de declarar o óbito.

A aterragem de um Boeing pode ser feita apenas por uma pessoa de forma segura, ainda que o membro da tripulação que desempenhe todas as tarefas sozinho fique sujeito a maior stress e carga de trabalho.

Em comunicado, a American Airlines já frisou que lamenta profundamente a morte de Grubbs. Episódios como este, em que um dos membros da tripulação de um avião fica incapacitado e impedido de manejar os comandos, são extremamente raros. Mas, em 2015, um comandante da American Airlines de 57 anos morreu também durante um voo, entre Phoenix e Boston. O avião acabou por ser desviado para Nova Iorque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".