Consultor republicano comprou bilhetes para a tomada de posse de Trump com dinheiro ucraniano

Fundo da tomada de posse não pode aceitar dinheiro de estrangeiros. Foram angariados 43 mil euros na operação em nome de oligarca ucraniano

Sam Patten, um consultor político republicano ligado a Paul Manafort e à Cambridge Analytica, admitiu ter angariado 50 mil dólares (cerca de 43 mil euros) de um oligarca ucraniano para a tomada de posse de Donald Trump.

A confissão faz parte do acordo judicial que foi divulgado esta sexta-feira, noticiam os jornais norte-americanos. Sam Patten reconhece que usou o dinheiro para comprar bilhetes para a cerimónia de tomada de posse, em janeiro de 2017, para o oligarca ucraniano e um sócio russo. O fundo da tomada de posse não permite o financiamento por parte de estrangeiros.

Esta confissão foi feita no acordo em que o consultor se considerou culpado de fazer lobby ilegal nos EUA a favor de políticos ucranianos pró-Rússia. Como parte do acordo, Sam Patten concordou cooperar com a investigação sobre a ligação entre a campanha de Trump e as interferências russas nas eleições presidenciais de 2016.

O grupo para o qual trabalhou como lobbista (o partido Opposition Bloc) também empregou Manafort, antigo diretor de campanha de Trump em 2016. Este crime - de lobby ilegal - é punido com pena de prisão até cinco anos.

Nos documentos é explicado como Patten formou um grupo de consultoria nos EUA com Konstantin Kilimnik, um político russo alegadamente ligado aos serviços secretos. Kilimnik é identificado como "estrangeiro A" nos documentos, e trabalhou também com Manafort, que também foi consultor do partido Opposition Bloc na Ucrânia.

Patten mentiu no Comité de Justiça ter encoberto a identidade dos compradores dos bilhetes para a tomada de posse de Trump. Uma vez que quando descobriu que os estrangeiros não podiam comprar estes ingressos, usou o nome de um cidadão americano na compra de quatro exemplares. Não entrou documentos pedidos pelo comité, deu pistas erradas e depois da sua audição apagou os ficheiros do seu trabalho com os ucranianos.

Já este mês Paul Manafort foi condenado por oito crimes de fraude fiscal e bancária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?