"Conseguiste Michelle": foi uma escritora que ajudou a apanhar um assassino em série?

Michelle McNamara não viveu tempo suficiente para assistir à detenção do homem suspeito de ser o Golden State Killer

Patton Oswalt, conhecido comediante norte-americano, inundou esta quarta-feira as redes sociais com mensagens a elogiar a sua mulher, que considera ter sido fundamental para que a polícia apanhasse o serial killer que aterrorizou a Califórnia nas décadas de 1970 e 1980.

Michelle McNamara era uma escritora que ficou "obcecada" com o Golden State Killer. Morreu há dois anos, mas o livro com as suas investigações foi publicado e, segundo o marido, deu novas dicas aos investigadores que permitiram que estes encontrassem o assassínio em série.

A detenção de um ex-polícia reformado norte-americano, Joseph James DeAngelo, de 72 anos, acusado de ser o responsável por oito homicídios atribuídos ao Golden State Killer - também apelidado pelos investigadores de "Violador da Área Este" e "Original Night Stalker" -, foi "comemorada" pelo comediante, que se dirigiu à falecida mulher num vídeo publicado no Instagram.

"A polícia nunca o irá dizer, mas o teu livro ajudou a fechar a investigação", diz Oswalt na gravação.

A escritora morreu subitamente em 2016, depois de vários anos a investigar, de forma obsessiva, de acordo com o marido, os crimes ocorridos na Califórnia. A autora descobriu vários pormenores sobre os crimes, em que o serial killer usava sempre o mesmo método: invadia a casa das mulheres, violava-as em frente aos seus companheiros e muitas vezes matava ambos.

"As vítimas recebiam chamadas telefónicas assustadoras antes e depois dos ataques. Ele estragava as luzes do alpendre e as trancas das janelas. Tirava as balas das armas que existiam na casa. Escondia atacadores e cordas debaixo dos colchões para mais tarde poder amarrar as vítimas. Esta preparação dava-lhe uma vantagem: quando acordavas, vias apenas um flash de luz intensa e um homem com uma máscara. Para ti, aquele homem era um estranho. Mas ele sabia quem tu eras", lê-se no livro "I'll Be Gone in the Dark", escrito pela mulher de Patton Oswalt.

Michelle McNamara encontrou-se com algumas vítimas, leu testemunhos e teve acesso a relatórios de autópsias.

De acordo com Oswalt, a obsessão pelo caso do Golden State Killer começou a prejudicar a saúde da mulher. "Três dias antes de morrer, a Michelle noites acordada porque havia novas pistas relacionadas com o caso", contou o comediante ao Washington Post.

Polícia nega que livro tenha sido fundamental para apanhar o assassino

O xerife do condado de Sacramento, Scott Jones, disse que a obra trouxe novas dicas, mas garantiu que nenhuma da informação que levou à detenção foi diretamente "extraída do livro".

Segundo o FBI, o homem procurado neste caso com cerca de 40 anos estava ligado a 12 homicídios, 45 violações e mais de 120 assaltos dentro e nos arredores de Sacramento, na área oriental da Baía de São Francisco e no sul da Califórnia.

O marido de McNamara insistiu no Twitter que o livro teve um papel determinante, mas que MIchelle McNamara não estava à espera de reconhecimento.

"Os polícias NUNCA creditaram e NUNCA IRÃO creditar um escritor ou um jornalista por ajudarem a resolver um caso. Mas sempre que dizem Golden State Killer creditam o trabalho de Michelle McNamara", escreveu ainda o comediante, que comparou a mulher à personagem da agente da autoridade Marge Gunderson no filme Fargo.

Foi Oswalt quem contratou outro escritor para acabar e publicar o livro, após a morte da mulher. A obra foi finalizada pelo escritor de livros sobre crime Paul Haynes.

Lançado a 27 de fevereiro de 2018 (quase dois anos após sua morte), alcançou o topo da lista de best-sellers do New York Times para obras de não-ficção. Esta quarta-feira, quando foi detido o homem suspeito de ser o Golden State Killer, o livro ocupava os lugares cimeiros da tabela há quatro semanas. A HBO anunciou agora que comprou os direitos da obra e que está a trabalhar numa série de documentários.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.