"Conseguiste Michelle": foi uma escritora que ajudou a apanhar um assassino em série?

Michelle McNamara não viveu tempo suficiente para assistir à detenção do homem suspeito de ser o Golden State Killer

Patton Oswalt, conhecido comediante norte-americano, inundou esta quarta-feira as redes sociais com mensagens a elogiar a sua mulher, que considera ter sido fundamental para que a polícia apanhasse o serial killer que aterrorizou a Califórnia nas décadas de 1970 e 1980.

Michelle McNamara era uma escritora que ficou "obcecada" com o Golden State Killer. Morreu há dois anos, mas o livro com as suas investigações foi publicado e, segundo o marido, deu novas dicas aos investigadores que permitiram que estes encontrassem o assassínio em série.

A detenção de um ex-polícia reformado norte-americano, Joseph James DeAngelo, de 72 anos, acusado de ser o responsável por oito homicídios atribuídos ao Golden State Killer - também apelidado pelos investigadores de "Violador da Área Este" e "Original Night Stalker" -, foi "comemorada" pelo comediante, que se dirigiu à falecida mulher num vídeo publicado no Instagram.

"A polícia nunca o irá dizer, mas o teu livro ajudou a fechar a investigação", diz Oswalt na gravação.

A escritora morreu subitamente em 2016, depois de vários anos a investigar, de forma obsessiva, de acordo com o marido, os crimes ocorridos na Califórnia. A autora descobriu vários pormenores sobre os crimes, em que o serial killer usava sempre o mesmo método: invadia a casa das mulheres, violava-as em frente aos seus companheiros e muitas vezes matava ambos.

"As vítimas recebiam chamadas telefónicas assustadoras antes e depois dos ataques. Ele estragava as luzes do alpendre e as trancas das janelas. Tirava as balas das armas que existiam na casa. Escondia atacadores e cordas debaixo dos colchões para mais tarde poder amarrar as vítimas. Esta preparação dava-lhe uma vantagem: quando acordavas, vias apenas um flash de luz intensa e um homem com uma máscara. Para ti, aquele homem era um estranho. Mas ele sabia quem tu eras", lê-se no livro "I'll Be Gone in the Dark", escrito pela mulher de Patton Oswalt.

Michelle McNamara encontrou-se com algumas vítimas, leu testemunhos e teve acesso a relatórios de autópsias.

De acordo com Oswalt, a obsessão pelo caso do Golden State Killer começou a prejudicar a saúde da mulher. "Três dias antes de morrer, a Michelle noites acordada porque havia novas pistas relacionadas com o caso", contou o comediante ao Washington Post.

Polícia nega que livro tenha sido fundamental para apanhar o assassino

O xerife do condado de Sacramento, Scott Jones, disse que a obra trouxe novas dicas, mas garantiu que nenhuma da informação que levou à detenção foi diretamente "extraída do livro".

Segundo o FBI, o homem procurado neste caso com cerca de 40 anos estava ligado a 12 homicídios, 45 violações e mais de 120 assaltos dentro e nos arredores de Sacramento, na área oriental da Baía de São Francisco e no sul da Califórnia.

O marido de McNamara insistiu no Twitter que o livro teve um papel determinante, mas que MIchelle McNamara não estava à espera de reconhecimento.

"Os polícias NUNCA creditaram e NUNCA IRÃO creditar um escritor ou um jornalista por ajudarem a resolver um caso. Mas sempre que dizem Golden State Killer creditam o trabalho de Michelle McNamara", escreveu ainda o comediante, que comparou a mulher à personagem da agente da autoridade Marge Gunderson no filme Fargo.

Foi Oswalt quem contratou outro escritor para acabar e publicar o livro, após a morte da mulher. A obra foi finalizada pelo escritor de livros sobre crime Paul Haynes.

Lançado a 27 de fevereiro de 2018 (quase dois anos após sua morte), alcançou o topo da lista de best-sellers do New York Times para obras de não-ficção. Esta quarta-feira, quando foi detido o homem suspeito de ser o Golden State Killer, o livro ocupava os lugares cimeiros da tabela há quatro semanas. A HBO anunciou agora que comprou os direitos da obra e que está a trabalhar numa série de documentários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).