Congresso suspende e acusa Kenji Fujimori

Em causa estão crimes de suborno e de tráfico de influências

O Congresso peruano aprovou na quarta-feira a suspensão de funções e acusou formalmente o congressista Kenji Fujimori, filho do ex-Presidente Alberto Fujimori, de crimes de suborno e tráfico de influências.

A medida surgiu na sequência de um requerimento do Partido da Força Popular, liderado pela irmã mais velha do congressista, e pretende estar em vigor enquanto correr o processo judicial contra Kenji.

O pedido de suspensão foi aprovado por 58 votos a favor e quatro abstenções, uma votação quente que levou aos protestos de várias bancadas de oposição que abandonaram o hemiciclo.

O Congresso aprovou ainda, com 61 votos a favor, quatro contra e seis abstenções, uma acusação contra Fujimori devido aos alegados crimes de suborno e tráfico de influência.

Antes do plenário, Kenji Fujimori, o candidato ao Congresso mais votado nas duas últimas eleições gerais no Peru, acusou Partido da Força Popular de "judicializar a política" e de violar a lei para lhe retirar a imunidade parlamentar.

Este caso está ligado ao ex-Presidente do Peru Pablo Kuczynski, que foi pressionado a demitir-se depois da divulgação, em meados de março, de vídeos de curta duração, filmados secretamente, em que vários aliados do Presidente conservador são vistos alegadamente a tentarem comprar o apoio de um legislador para impedir a destituição.

Os filmes apresentados pelo principal partido de oposição mostram alegadas tentativas do advogado de Kuczynski, um funcionário do Governo, e Kenji Fujimori, a tentarem convencer o legislador a apoiar o Presidente em troca de contratos estaduais no distrito.

Os vídeos lançaram a crise política no Peru.

Em dezembro passado, Kenji Fujimori liderou um grupo de legisladores que desafiou a liderança de irmã Keiko do Partido da Força Popular para bloquear de forma restrita a destituição de Kuczynski.

Dias depois, Kuczynski perdoou a Alberto Fujimori uma sentença de prisão de 25 anos por abusos dos direitos humanos cometidos durante os dez anos de mandato presidencial.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.