Congresso desautoriza Obama: vítimas do 11 de setembro vão poder processar a Arábia Saudita

Câmara dos Representantes e Senado dos Estados Unidos anulam veto do presidente. Esta é a primeira vez em oito anos que Barack Obama é ultrapassado pelo Congresso.

Quinze anos depois dos atentados terroristas do 11 de setembro nos EUA, as vítimas dos ataques vão poder processar o país de origem de 15 dos 19 piratas do ar: a Arábia Saudita.

Obama, democrata, vetara a lei que permitia processar os sauditas, no passado dia 23, mas hoje viu-se desautorizado pela Câmara dos Representantes e pelo Senado, que se encontram ambos atualmente dominados pela oposição republicana.

No primeiro caso, 348 contra 76 votaram por anular o veto, no segundo 97 contra um votaram para que seja finalmente tornado lei o "Justice Against Sponsors of Terrorism Act".

A pouco mais de um mês das eleições presidenciais norte-americanas, a anulação do veto constitui um duro revés para Obama que, em oito anos, usou o veto 12 vezes mas nunca foi desautorizado. O resultado das votações de hoje deverá fragilizar as relações entre os EUA e a Arábia Saudita, país árabe que sempre foi considerado um parceiro estratégico dos norte-americanos.

Nos atentados do 11 de setembro de 2001 morreram 2977 pessoas.

Com agências

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...