Congresso desautoriza Obama: vítimas do 11 de setembro vão poder processar a Arábia Saudita

Câmara dos Representantes e Senado dos Estados Unidos anulam veto do presidente. Esta é a primeira vez em oito anos que Barack Obama é ultrapassado pelo Congresso.

Quinze anos depois dos atentados terroristas do 11 de setembro nos EUA, as vítimas dos ataques vão poder processar o país de origem de 15 dos 19 piratas do ar: a Arábia Saudita.

Obama, democrata, vetara a lei que permitia processar os sauditas, no passado dia 23, mas hoje viu-se desautorizado pela Câmara dos Representantes e pelo Senado, que se encontram ambos atualmente dominados pela oposição republicana.

No primeiro caso, 348 contra 76 votaram por anular o veto, no segundo 97 contra um votaram para que seja finalmente tornado lei o "Justice Against Sponsors of Terrorism Act".

A pouco mais de um mês das eleições presidenciais norte-americanas, a anulação do veto constitui um duro revés para Obama que, em oito anos, usou o veto 12 vezes mas nunca foi desautorizado. O resultado das votações de hoje deverá fragilizar as relações entre os EUA e a Arábia Saudita, país árabe que sempre foi considerado um parceiro estratégico dos norte-americanos.

Nos atentados do 11 de setembro de 2001 morreram 2977 pessoas.

Com agências

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.