Confrontos na Tailândia fazem quatro mortos em 24 horas

Mais de 6500 pessoas morreram desde o recomeço da rebelião contra o Governo em 2004

Quatro pessoas foram mortas a tiro nas últimas 24 horas no sul da Tailândia, incluindo um seringueiro budista cujo corpo foi depois incendiado, disse hoje a polícia.

A onda de violência surgiu após meses de relativa calma na região, onde mais de 6500 pessoas, a maioria civis, morreram desde o recomeço de uma rebelião contra o Governo em 2004.

O seringueiro Chatchai Saethong, de 55 anos, foi baleado na quinta-feira no distrito de Yaha, na província de Yala, uma das três que fazem fronteira com a Malásia e que foram mais atingidas pela violência.

"O seu corpo foi incendiado e deixado a queimar", descreveu à AFP Praponwat Khantiwaranant, da polícia local.

Uma hora mais tarde, um 'ranger' muçulmano do exército foi abatido num bairro vizinho, também de acordo com as autoridades.

Dois outros civis muçulmanos, incluindo outro seringueiro, foram mortos a tiro na quarta-feira, enquanto outro 'ranger' do exército se encontra em estado crítico depois de ter sido baleado.

Os rebeldes que lutam por maior autonomia têm frequentemente como alvos pessoas que acreditam serem colaboradores do Estado tailandês, que anexou a região do sul, culturalmente distinta, há mais de 100 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.