Confrontos na Síria causam 30 mortos

29 elementos das forças governamentais e um jovem civil morreram nas últimas 24 horas

Pelo menos 29 elementos das forças governamentais e um jovem civil morreram, nas últimas 24 horas, em confrontos entre as forças do regime e fações rebeldes em várias frentes da província de Deraa, no Sul da Síria, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Os confrontos mais violentos produziram-se durante a noite de sexta para sábado, na cidade de Deraa, onde as tropas leais ao regime de Damasco lançaram um ataque, numa zona situada entre o bairro de Deraa al-Balad e a estrada de Al-Sad, contra as forças rebeldes, que ripostaram, resultando baixas em ambas as fileiras.

Nesses confrontos, pelo menos 17 combatentes leais ao governo sírio perderam a vida, refere o Observatório, que não deu indicações sobre as baixas entre as fações rebeldes, mas acrescentou que um jovem civil morreu.

Nas últimas 24 horas, os confrontos prosseguiram em várias zonas do leste da província, tendo resultado na morte de outros 12 militares.

Desde 19 de junho, as forças do regime intensificaram os bombardeamentos, sobretudo na zona leste da província de Deraa, antes de lançarem, alguns dias depois, uma ofensiva contra os bairros controlados pelos rebeldes na cidade com o mesmo nome.

A ofensiva já causou a morte a uma centena de civis, incluindo 19 crianças, e forçou a deslocação de pelo menos 120 mil pessoas, segundo o Observatório.

Na quinta-feira, as Nações Unidas apelaram aos Estados Unidos, à Rússia e à Jordânia para fazerem tudo o que pudessem para se conseguir um cessar-fogo em Deraa, província onde, em março de 2011, começou a contestação ao regime de Bachar Al-Assad, cuja repressão deu início à guerra civl que já causou mais de 350 mil mortos e milhões de deslocados.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."