Confirmado caso de ébola em cidade com um milhão de habitantes

OMS anunciou que profissionais a caminho do país vão receber vacina ainda não licenciada

A Organização Mundial da Saúde e funcionários das Nações Unidas estão a caminho da República Democrática do Congo como socorristas depois de ter sido identificado um surto de ébola no país. O cenário mais preocupante é o da cidade de Mbandaka, que tem cerca de um milhão de habitantes, e onde já foi confirmado um caso, o que significa que o surto se espalhou do campo para as áreas urbanas e que a doença será mais difícil de controlar.

Segundo a BBC, o ministro da Saúde, Oly Ilunga Kalenga, confirmou o caso detetado em Mbandaka. A cidade fica a cerca de 130 km da área onde os primeiros casos foram confirmados, no início deste mês. A cidade é ainda um importante centro de transporte com várias rotas para a capital Kinshasa.

O vice-diretor-geral da OMS, Peter Salama, disse à Reuters que vários funcionários inscreveram-se para a imunização com a vacina VSV-EBOV. Desenvolvida pela Merck, a vacina ainda não está totalmente licenciada, mas mostrou-se segura e eficaz nos testes realizados.

"Pela primeira vez, oferecemos vacinação a todos os agentes da resposta internacional - e faremos isso em Genebra e em Kinshasa", disse Peter Salama, esta quinta-feira. As primeiras vacinas serão administradas amanhã, em Genebra.

De acordo com números avançados pela OMS já houve 44 casos suspeitos, prováveis ​​ou confirmados de ébola neste surto e 23 pessoas morreram.
O caso mais preocupante é o que foi confirmado na cidade de Mbandaka, que tem cerca de um milhão de habitantes.

Salama viajou para as áreas afetadas do Congo no último fim de semana e disse que "certamente" irá receber a vacina antes de regressar ao Congo.

O primeiro lote de vacinas contém cerca de 4.000 doses e destina-se a profissionais de saúde locais e a quem esteve em contacto com o vírus. A vacinação começa já no início da próxima semana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.