Obama no Porto dá início a movimento de luta às alterações climáticas

Na Climate Change Leadership Porto Summit 2018, a 6 de julho, vai ser lançado o Porto Protocol, um documento de compromisso na luta contra as alterações climáticas

A conferência que traz em julho o antigo presidente norte-americano Barack Obama ao Porto é um 1.º evento do que pretende ser um "movimento" para encontrar soluções de combate às alterações climáticas, anunciou hoje a organização.

Em conferência de imprensa, a organização referiu que será na "Climate Change Leadership Porto Summit 2018", a decorrer no Coliseu do Porto a 6 de julho, promovida por entidades públicas e privadas, que será lançado o Porto Protocol, um documento de compromisso da comunidade, sobretudo empresarial e do setor vinícola, na luta contra as alterações climáticas.

A ideia é promover uma discussão para encontrar soluções, a médio e longo prazo

Além de Barack Obama, 44.º presidente dos Estados Unidos, a conferência contará com a presença de Mohan Munasinghe, ex-vice-presidente do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) das Nações Unidas e Prémio Nobel da Paz em 2007, Irina Bokova, ex-diretora-geral da Unesco, e Juan Verde, presidente da Advanced Leadership Foundation (ALF), uma das entidades organizadoras do evento.

Segundo Adrian Bridge, da Taylor's Port e representante no Porto da ALF, "as alterações climáticas são um problema real" e a ideia é promover uma discussão para encontrar soluções, a médio e longo prazo, mas "todos juntos".

"Este 6 de julho é o dia do lançamento do Porto Protocol, com oradores importantes", mas "este é um processo", disse, acrescentando estar já agendado uma outra conferência para março de 2019, na qual se pretende reunir "pessoas do setor do vinho a nível mundial" para "falar de soluções" para o futuro.

O vereador da Câmara do Porto Ricardo Valente frisou que esta conferência "é o arranque de um movimento que se centra no impacto [das alterações climáticas] do ponto de vista do que é a economia na região Norte e no vinho"

O protocolo, sublinhou, será "uma base de dados" para que empresas se comprometam a encontrar "soluções ambientais".

O vereador da Câmara do Porto Ricardo Valente frisou mesmo que esta conferência "é o arranque de um movimento que se centra no impacto [das alterações climáticas] do ponto de vista do que é a economia na região Norte e no vinho".

Frederico Falcão, do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), afirmou que as alterações climáticas são uma preocupação para o setor, "que tem no país uma importância muito grande, sob o ponto de vista cultural, paisagístico e económico".

"A cultura do vinho é uma cultura fixadora das pessoas no território, tem importância estrutural na nossa economia e este é um setor onde o nome de Portugal atinge uma dimensão muito mais do que a física", frisou.

O responsável salientou que o problema "já se faz sentir nos vinhos, com a falta de água, com a antecipação de colheitas, e com castas plantadas que estão a sentir alguma dificuldade à evolução que o clima está a ter".

"Nós queremos estar próximos das soluções e, portanto, daí o envolvimento do Ministério da Agricultura, através do IVV. É [estar a dar] um sinal para dentro, para o nosso setor e para fora de Portugal, de que nós queremos estar na linha da frente da preocupação, estudando o problema, mas sobretudo encontrando soluções para mitigar o problema que estamos a viver", sublinhou.

O que queremos é um 'yes, we can' e um 'yes, we should'

Já Nuno Botelho, presidente da Associação Comercial do Porto, também envolvida na organização do evento, frisou que esta conferência marca o arranque do Porto enquanto cidade que se "assume capital não só do vinho, mas de um debate sério preparado, sobre alterações climáticas".

"O que queremos é um 'yes, we can' e um 'yes, we should'", sublinhou Botelho.

Na conderência, Barack Obama irá responder a cerca de 25 perguntas selecionadas

A organização escusou-se a adiantar o custo desta conferência, centrando-se, sobretudo, no retorno que terá para a cidade e para o país, e apontando o exemplo da cimeira de Davos -- "o que foi e o que é hoje" -, especificando tratar-se de "um investimento para alavancar este movimento" de luta contra as alterações climáticas.

No dia da conferência, que se destina apenas a convidados, cerca de 3.000, Barack Obama abordará a importância de "mitigar" o problema e responderá a cerca de 25 perguntas selecionadas, enquanto Irina falará de como as alterações climáticas estão as afetar as regiões classificadas pela Unesco e quais as soluções propostas.

No mesmo dia que estará no Porto, o antigo presidente dos Estados Unidos vai também estar em Madrid, Espanha, enquanto convidado de honra de uma cimeira sobre economia circular e inovação, evento também organizado pela Advanced Leadership Foundation.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.