Obama no Porto dá início a movimento de luta às alterações climáticas

Na Climate Change Leadership Porto Summit 2018, a 6 de julho, vai ser lançado o Porto Protocol, um documento de compromisso na luta contra as alterações climáticas

A conferência que traz em julho o antigo presidente norte-americano Barack Obama ao Porto é um 1.º evento do que pretende ser um "movimento" para encontrar soluções de combate às alterações climáticas, anunciou hoje a organização.

Em conferência de imprensa, a organização referiu que será na "Climate Change Leadership Porto Summit 2018", a decorrer no Coliseu do Porto a 6 de julho, promovida por entidades públicas e privadas, que será lançado o Porto Protocol, um documento de compromisso da comunidade, sobretudo empresarial e do setor vinícola, na luta contra as alterações climáticas.

A ideia é promover uma discussão para encontrar soluções, a médio e longo prazo

Além de Barack Obama, 44.º presidente dos Estados Unidos, a conferência contará com a presença de Mohan Munasinghe, ex-vice-presidente do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) das Nações Unidas e Prémio Nobel da Paz em 2007, Irina Bokova, ex-diretora-geral da Unesco, e Juan Verde, presidente da Advanced Leadership Foundation (ALF), uma das entidades organizadoras do evento.

Segundo Adrian Bridge, da Taylor's Port e representante no Porto da ALF, "as alterações climáticas são um problema real" e a ideia é promover uma discussão para encontrar soluções, a médio e longo prazo, mas "todos juntos".

"Este 6 de julho é o dia do lançamento do Porto Protocol, com oradores importantes", mas "este é um processo", disse, acrescentando estar já agendado uma outra conferência para março de 2019, na qual se pretende reunir "pessoas do setor do vinho a nível mundial" para "falar de soluções" para o futuro.

O vereador da Câmara do Porto Ricardo Valente frisou que esta conferência "é o arranque de um movimento que se centra no impacto [das alterações climáticas] do ponto de vista do que é a economia na região Norte e no vinho"

O protocolo, sublinhou, será "uma base de dados" para que empresas se comprometam a encontrar "soluções ambientais".

O vereador da Câmara do Porto Ricardo Valente frisou mesmo que esta conferência "é o arranque de um movimento que se centra no impacto [das alterações climáticas] do ponto de vista do que é a economia na região Norte e no vinho".

Frederico Falcão, do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), afirmou que as alterações climáticas são uma preocupação para o setor, "que tem no país uma importância muito grande, sob o ponto de vista cultural, paisagístico e económico".

"A cultura do vinho é uma cultura fixadora das pessoas no território, tem importância estrutural na nossa economia e este é um setor onde o nome de Portugal atinge uma dimensão muito mais do que a física", frisou.

O responsável salientou que o problema "já se faz sentir nos vinhos, com a falta de água, com a antecipação de colheitas, e com castas plantadas que estão a sentir alguma dificuldade à evolução que o clima está a ter".

"Nós queremos estar próximos das soluções e, portanto, daí o envolvimento do Ministério da Agricultura, através do IVV. É [estar a dar] um sinal para dentro, para o nosso setor e para fora de Portugal, de que nós queremos estar na linha da frente da preocupação, estudando o problema, mas sobretudo encontrando soluções para mitigar o problema que estamos a viver", sublinhou.

O que queremos é um 'yes, we can' e um 'yes, we should'

Já Nuno Botelho, presidente da Associação Comercial do Porto, também envolvida na organização do evento, frisou que esta conferência marca o arranque do Porto enquanto cidade que se "assume capital não só do vinho, mas de um debate sério preparado, sobre alterações climáticas".

"O que queremos é um 'yes, we can' e um 'yes, we should'", sublinhou Botelho.

Na conderência, Barack Obama irá responder a cerca de 25 perguntas selecionadas

A organização escusou-se a adiantar o custo desta conferência, centrando-se, sobretudo, no retorno que terá para a cidade e para o país, e apontando o exemplo da cimeira de Davos -- "o que foi e o que é hoje" -, especificando tratar-se de "um investimento para alavancar este movimento" de luta contra as alterações climáticas.

No dia da conferência, que se destina apenas a convidados, cerca de 3.000, Barack Obama abordará a importância de "mitigar" o problema e responderá a cerca de 25 perguntas selecionadas, enquanto Irina falará de como as alterações climáticas estão as afetar as regiões classificadas pela Unesco e quais as soluções propostas.

No mesmo dia que estará no Porto, o antigo presidente dos Estados Unidos vai também estar em Madrid, Espanha, enquanto convidado de honra de uma cimeira sobre economia circular e inovação, evento também organizado pela Advanced Leadership Foundation.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.