Companhia aérea recusa embarque a duas raparigas por usarem leggings

United Airlines debaixo de fogo nas redes sociais

A companhia aérea norte-americana United Airlines impediu o embarque de duas jovens, num voo de Denver para Minneapolis, por usarem leggings. Uma terceira rapariga, que de acordo com testemunhos de pessoas presentes no local, levava também umas leggings, cinzentas, teve de pôr um vestido para poder entrar no avião.

O caso foi denunciado no Twitter por Shannon Watts, fundadora e ativista do movimento Moms Demand, que luta pelo controlo de armas nos Estados Unidos. Presente no local, relatou que uma funcionária da companhia aérea impediu a entrada das jovens no avião, invocando as regras da empresa sobre vestuário. De acordo com a mesma testemunha não foi levantada qualquer questão à roupa do pai, que vestia calções. "Desde quando é que a United policia a roupa das mulheres?", questionava Shannon Watts.

A primeira reação nas redes sociais foi de incredulidade, que se transformou em fúria quando a United Airlines veio responder que tem o direito de recusar o transporte a passageiros que não estejam vestidos de forma apropriada, invocando a regra 21 do seu "Contrato de Transporte".

A companhia aérea veio entretanto emendar a mão, explicando que as pessoas em causa não eram passageiros comuns, mas familiares de funcionários da empresa, que viajavam com descontos, ao abrigo dessa condição, e que estão por isso abrangidos pelo código de vestuário da empresa, que não permite o uso de leggings. Refira-se que uma das raparigas impedidas de embarcar tinha apenas dez anos.

Não foi o suficiente. A proibição de embarque das duas jovens transformou-se no assunto do dia nas redes sociais, com a United Airlines debaixo de um coro de críticas e muitas ameaças de mudança para outras companhias aéreas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?