Como Facebook e Twitter ajudaram a identificar um esquiador desaparecido em 1954

Investigadores partilharam as informações que tinham na rede social em junho e a família do francês Henri Le Masne, desaparecido em Itália há mais de 60 anos ajudou a identificá-lo

Em 2005, foram encontrados uns restos mortais, uns esquis e um par de óculos a 3000 metros de altitude numa montanha dos Alpes italianos na região de Aosta. Passada mais de uma década, os investigadores da polícia italiana continuavam sem conseguir identificar o corpo a quem pertenciam e decidiram partilhar os resultados da sua pesquisa no Facebook.

A polícia já tinha algumas pistas: umas iniciais bordadas na roupa e uns esquis de madeira que na altura seriam caros. O corpo pertencia a um homem com cerca de 1,75 metros e na casa dos 30 anos. A morte, explicou Marinella Laporta, uma das investigadoras da polícia de Turim, à BBC, teria ocorrido na primavera.

Foram estas informações e algumas imagens dos objetos encontrados que a polícia italiana partilhou nas redes sociais em junho, com apelo a que quem tivesse informações sobre o caso, a contactasse. O apelo foi lançado também em França e na Suíça.

Os media franceses pegaram na história e foi ao ouvir a história numa rádio local que Emma Nassem ficou a pensar se o desaparecido não seria o seu tio, Henry Le Masne, desaparecido em 1954 quando fora esquiar junto à fronteira entre a Suíça e Itália, tendo sido apanhado por uma tempestade.

Roger Le Masne, de 94 anos, também ouviu a notícia e pensou logo no irmão mais velho. "Sou o irmão mais novo de Henri Le Masne... que deve ser o esquiador desaparecido há 64 anos. Era solteiro e bastante independente. Trabalhava no Ministério das Finanças em Paris", escreveu num email que acabou por chegar à polícia italiana.

Mas foram os óculos que acabaram por ajudar a identificar Henri Le Masne. Isto depois de a família enviar uma foto dele com uns óculos que correspondiam aos encontrados na montanha. Um teste de ADN fez o resto e, passados mais de seis décadas, ficou resolvido o mistério do esquiador encontrado na região de Aosta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?