Como Facebook e Twitter ajudaram a identificar um esquiador desaparecido em 1954

Investigadores partilharam as informações que tinham na rede social em junho e a família do francês Henri Le Masne, desaparecido em Itália há mais de 60 anos ajudou a identificá-lo

Em 2005, foram encontrados uns restos mortais, uns esquis e um par de óculos a 3000 metros de altitude numa montanha dos Alpes italianos na região de Aosta. Passada mais de uma década, os investigadores da polícia italiana continuavam sem conseguir identificar o corpo a quem pertenciam e decidiram partilhar os resultados da sua pesquisa no Facebook.

A polícia já tinha algumas pistas: umas iniciais bordadas na roupa e uns esquis de madeira que na altura seriam caros. O corpo pertencia a um homem com cerca de 1,75 metros e na casa dos 30 anos. A morte, explicou Marinella Laporta, uma das investigadoras da polícia de Turim, à BBC, teria ocorrido na primavera.

Foram estas informações e algumas imagens dos objetos encontrados que a polícia italiana partilhou nas redes sociais em junho, com apelo a que quem tivesse informações sobre o caso, a contactasse. O apelo foi lançado também em França e na Suíça.

Os media franceses pegaram na história e foi ao ouvir a história numa rádio local que Emma Nassem ficou a pensar se o desaparecido não seria o seu tio, Henry Le Masne, desaparecido em 1954 quando fora esquiar junto à fronteira entre a Suíça e Itália, tendo sido apanhado por uma tempestade.

Roger Le Masne, de 94 anos, também ouviu a notícia e pensou logo no irmão mais velho. "Sou o irmão mais novo de Henri Le Masne... que deve ser o esquiador desaparecido há 64 anos. Era solteiro e bastante independente. Trabalhava no Ministério das Finanças em Paris", escreveu num email que acabou por chegar à polícia italiana.

Mas foram os óculos que acabaram por ajudar a identificar Henri Le Masne. Isto depois de a família enviar uma foto dele com uns óculos que correspondiam aos encontrados na montanha. Um teste de ADN fez o resto e, passados mais de seis décadas, ficou resolvido o mistério do esquiador encontrado na região de Aosta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.