Como dois discursos criticam Trump sem falar dele

Barack Obama e George W. Bush foram os interlocutores. Em duas circunstâncias diferentes, os dois ex-presidentes, um democrata e outro republicano, lançam farpas à política de divisão e ao preconceito

Poucas horas separaram os discursos de dois ex-presidentes norte-americanos, esta quinta-feira, que estão a ser analisados como críticas veladas a Donald Trump. Em nenhum dos dois existiram referências ao atual presidente dos Estados Unidos, mas este parece ser o alvo tanto do democrata Barack Obama como do republicano George W. Bush.

Barack Obama voltou aos comícios para pedir aos eleitores que rejeitem a crescente "política de divisão que diz estar a corroer a democracia norte-americana. Tanto em Newark (Nova Jérsia), como em Richmond (Virgínia) o anterior presidente dos Estados Unidos considerou que os eleitores podem enviar uma poderosa mensagem sobre o tipo de política que querem votando nos democratas nas eleições para eleger os governadores destes dois estados a 7 de novembro.

"O que não podemos ter é a velha política de divisão que vimos tantas vezes antes e que remonta a séculos", defendeu Obama em Newark, enquanto a multidão gritava "Mais quatro anos". Já em Richmond, o democrata considerou que a política moderna não reflete os valores básicos de inclusão e estão a afastar as pessoas.

"Há gente que está deliberadamente a tentar irritar as outras pessoas, a demonizar quem tem ideias diferentes, a arruinar a base porque isso lhes dá uma vantagem a curto prazo. Às vezes, isso é frustrante", comentou.

Também George W. Bush, republicano, fez um discurso que está a ser encarado como uma crítica a Donald Trump. O antigo presidente falou de nacionalismo, de divisões raciais, da intervenção da Rússia nas eleições... temas que têm estado em destaque desde que o colega republicano Trump chegou à Casa Branca.

"O bullying e o preconceito na nossa vida pública estabelecem um tom nacional, dão permissão para a crueldade e a intolerância e comprometem a educação moral das crianças. A única forma de transmitir valores civis é viver com eles", defendeu. Bush realçou ainda o papel dos imigrantes e do comércio internacional, duas áreas políticas que Trump tem criticado.

"Vimos um nacionalismo distorcido em nativismo, esqueceu-se o dinamismo que a imigração sempre trouxe à América", lembrou. "Assistimos a uma queda da confiança nos valores do mercado livre e do comércio internacional esquecendo que o conflito, instabilidade e pobreza seguem-se ao protecionismo", acrescentou.

Questionado se o discurso visava a política de Donald Trump, um assessor de Bush disse que este versara sobre os temas que o ex-presidente abordava há anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.