Comissão Eleitoral acusa campanha pró-brexit de ter feito batota

Mathhew Elliot, ex-líder do Vote Leave, indicou que a Comissão Eleitoral vai acusar a campanha do brexit de violar a lei eleitoral, tendo contornado os limites de financiamento em coordenação com a organização de jovens BeLeave

Numa investigação à campanha, à qual a BBC teve acesso, a Comissão Eleitoral estabelece que o Vote Leave excedeu os limites de financiamento, não apresentou todos os recibos e faturas, falhou em cumprir as regras estatutárias, teve um retorno impreciso dos gastos de campanha.

A Comissão Eleitoral deu 28 dias, ou seja, até 3 de julho, aos responsáveis da Vote Leave para apresentarem os seus próprios dados, indicou um porta-voz do organismo, citado pela BBC, sublinhando que "a decisão, invulgar, por parte do Vote Leave, em partilhar [tornando públicas] as conclusões iniciais da Comissão Eleitoral em nada altera o processo conforme está estabelecido na lei".

Em declarações à mesma televisão britânica, Matthew Elliott, ex-líder da campanha Vote Leave, queixou-se de parcialidade. "Só ouviram um lado da história. Disponibilizámo-nos para ir a entrevistas. Não aceitaram entrevistas do nosso lado", declarou, garantindo que o Vote Leave "sempre agiu dentro da lei e apenas trabalhou com outros grupos para encorajar as suas atividades".

Em causa está um financiamento do Vote Leave, na reta final da campanha para o referendo de 23 de junho de 2016, para o grupo de jovens BeLeave no valor de 625 mil libras, ou seja, 715 mil euros. Contornou, assim, o limite de sete milhões de libras (oito milhões de euros) de gastos na campanha para a consulta sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia.

As dúvidas sobre a campanha pró-brexit surgiram quando, em março deste ano, Shamir Sanni, que ajudou a estabelecer o BeLeave, contou ao The Observer que o dinheiro dado ao grupo de jovens foi parar diretamente à Aggregate IQ.

Esta, segundo Christopher Wylie, trabalhou com a Cambridge Analytica para ajudar a campanha a favor da saída do Reino Unido da UE. O jovem canadiano, que chegou a ser ouvido durante quatro horas numa comissão do Parlamento britânico, declarou: "Se não tivesse havido batota, o resultado teria sido outro, do meu ponto de vista. Deixa-me furioso porque as pessoas apoiaram a campanha do Leave porque acreditavam na aplicação da lei e da soberania britânicas. E alterar a ordem constitucional deste país com base numa fraude é mutilar essa ordem constitucional".

O resultado do referendo de 23 de junho de 2016 foi 51,89% para o Sim e 48,11% para o Não. "O referendo foi ganho com menos de 2% dos votos e muito dinheiro foi gasto em publicidade na medida certa, com base em dados pessoais", afirmou Wylie, em entrevistas ao El País e Die Welt.

"Não trabalhei na campanha do brexit mas fui uma presença fantasma porque conhecia muita gente e ajudei a montar a empresa posta a serviço da campanha. Sabia tudo o que se passava. Coloquei-os em contacto e acompanhei o que faziam", garantiu, na entrevista.

Além do brexit, Wylie reclama também para a Cambridge Analytica, entretanto dissolvida, a intervenção a favor da eleição de Donald Trump em 2016. Tudo através do uso indevido de dados de 50 milhões de utilizadores do Facebook. Estas revelações deixaram o fundador do Facebook sob nova pressão. Mark Zuckerberg recusou ser ouvido no Parlamento do Reino Unido. Mas foi ao Congresso dos EUA e ao Parlamento Europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.