Comerciante português sequestrado e decapitado na Venezuela

Assassinos cortaram a cabeça e as mãos de Carlos Gouveia, de 42 anos. Pelo menos dois portugueses foram assassinados nos últimos quinze dias

As autoridades venezuelanas localizaram e enterraram, sem autorização da família, o cadáver de um comerciante português, de 42 anos, que estava desaparecido desde o dia 23 de maio.

Fontes policiais indicaram que Carlos Gouveia foi sequestrado e assassinado por desconhecidos que lhe cortaram a cabeça e as mãos, o que dificultou o trabalho de identificação.

Os restos mortais do comerciante, que vivia em Filas de Mariche (leste de Caracas), foram localizados a 28 de maio no Rio Guaire, e apenas hoje é que a polícia venezuelana revelou ter conseguido identificar a vítima, através de uma tatuagem.

Uma irmã do comerciante esteve hoje na morgue de Bello Monte (Caracas) e disse que apesar de ter pedido constantemente informações sobre o irmão apenas hoje tomou conhecimento de que a polícia tinha ordenado que fosse enterrado num cemitério de Guarenas (leste da capital).

O assassínio está a ser investigado pela polícia que suspeita de um eventual envolvimento de algum dos inquilinos a quem a vítima alugava quartos da sua casa.

Pelo menos dois portugueses foram assassinados, nos últimos quinze dias, na Venezuela, um na localidade de Ciudad Caribia (norte de Caracas) e outro no estado de Carabobo, a 150 quilómetros a oeste da capital.

Em 2015 ocorreram mais de 18 mil assassínios na Venezuela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.