Comem e fogem. Prejuízo já supera os 12 mil euros

Polícia investiga casos de grupos que saem de restaurantes e hotéis sem pagar contas milionárias

Comem, bebem, dançam e até lançam fogo-de-artifício. O único problema? Não pagam a conta. Os casos têm sido registados em Espanha estão a ser investigados. A polícia já deteve um homem, de nacionalidade romena, que terá feito uma das reservas nos restaurantes burlados.

Os burlões marcam banquetes, para cerca de 120 pessoas, mas quando chega a hora da sobremesa, levantam-se e desaparecem rapidamente, deixando para trás milhares de euros de prejuízo para quem os recebeu.

"Tínhamos acabado de servir o bolo e eles simplesmente foram embora. Sem insultos, sem serem rudes. Meteram-se nos carros e foram embora", disse Antonio Rodriguez, de acordo com o The Guardian. Rodriguez é o proprietário do primeiro estabelecimento a fazer queixa às autoridades, o Hotel Carmen, depois de se ver a braços com uma conta de 2200 euros por pagar. Aconteceu em Bembibre, na região de Leão e Castela, numa cerimónia que era alegadamente para celebrar o batismo de dois rapazes. Tiveram direito a tudo, mas disseram que não à sobremesa e foram embora. "atropelando-se". Rodriguez já tinha um depósito de 900 euros, mas duvida que vá receber o resto do dinheiro.

Poucos dias depois, em Ponferrada, a cerca de 20 quilómetros de distância de Bembibre, foi servido um banquete para um casamento no valor de dez mil euros. O resultado foi o mesmo: ninguém pagou.

A norte da Galiza aconteceu cena semelhante, com os clientes a desaparecerem depois de terem saído da sala para lançarem fogo-de-artifício.

De acordo com a Associated Press, um porta-voz das autoridades da região de Leão confirmou que um suspeito foi detido. Outro está desaparecido e poderá até já ter deixado Espanha. Já há mais suspeitos identificados, mas a polícia não revelou mais detalhes, para não alertar os burlões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.