Começou a batalha pela libertação de Raqqa das mãos do Estado Islâmico

Separadas por quase 400 quilómetros, Mossul e Raqa são as duas últimas cidades controladas pelo grupo terrorista

A força árabe-curda, apoiada pelos Estados Unidos, lançou hoje uma grande ofensiva para tomar Raqqa, capital do grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Síria, aumentando a pressão sobre os jihadistas tal como em Mossul, Iraque, informa a AFP.

Separadas por quase 400 quilómetros, Mossul e Raqqa são as duas últimas cidades controladas pelo EI, que perdeu uma grande parte dos territórios conquistados em 2014 na Síria e no Iraque.

"A grande batalha para a libertação de Raqqa e da sua província começou", anunciou o porta-voz da ofensiva Jihan Cheikh Ahmad, na localidade de Ain Issa, 50 quilómetros a norte de Raqqa. Washington, que dirige a coligação internacional anti-jihadista, confirmou o início das operações para isolar Raqqa.

Batizada de "Cólera do Eufrates", a ofensiva começou sábado à noite sob o comando das forças democráticas sírias (FDS), uma aliança anti-EI dominada por forças curdas e que integra combatentes árabes.

Os combatentes afirmam que pretendem libertar Raqqa "das forças terroristas mundiais e dos obscuros representantes do EI".

O porta-voz da FDS, Talal Sello, admitiu que em Raqqa, onde os jihadistas estão implantados no seio da população, a "batalha não será fácil".

Precisou que a operação se desenrolará em duas etapas: libertar a província de Raqqa para isolar a cidade e, depois, tomar a cidade.

A batalha, previu, passa ainda por três eixos: Ain Issa, Tall Abyad (100 quilómetros a norte de Raqqa) e pela localidade de Makman.

A coligação internacional, coordenada pelos norte-americanos, dispõe de diverso equipamento militar e conta com o apoio de cerca de 50 conselheiros e peritos norte-americanos.

Segundo informações militares, a FDS é formada por 30 mil combatentes, sendo que dois terços são curdos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.