Kim Jong-un na China? O mistério de uma viagem de comboio

Agência Bloomberg cita várias fontes para confirmar presença de líder naquele país asiático, apesar do ceticismo de alguns analistas

A chegada de um comboio norte-coreano a Pequim e o reforço da segurança na residência onde altos quadros de Pyongyang costumam ficar começou por suscitar rumores de que Kim Jong-un se teria deslocado à China. Vários analistas consideraram improvável a presença deste, mas já esta segunda-feira a Agência Bloomberg confirmou a chegada do líder norte-coreano, citando várias fontes.

Entretanto, o comboio que alegadamente transportou o líder norte-coreano já abandonou a capital chinesa, informou a agência japonesa Kyodo.

Segundo o jornal japonês Sankei, que cita fontes não identificadas do Partido Comunista Chinês, Kim Jong-un reuniu-se hoje com vários líderes chineses. O Governo da Coreia do Sul disse também desconhecer uma eventual deslocação de Kim a Pequim, mas afirmou que estava a acompanhar a situação.

O acesso à praça de Tiananmen foi também limitado, um protocolo habitual quando ocorrem visitas de líderes estrangeiros ao Grande Palácio do Povo, que se encontra junto à praça.

O episódio antecede os encontros previstos de Kim Jong-un com o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, no final de abril, e com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em maio.

Caso se confirme, esta terá sido a primeira deslocação do líder norte-coreano ao exterior desde que ascendeu ao poder, em dezembro de 2011.

Pequim continua a ser o mais importante aliado do regime norte-coreano, apesar do crescente distanciamento devido ao programa nuclear e de mísseis balísticos empreendido por Pyongyang.

Mas apesar de um encontro com líderes chineses não ter sido falado, Pequim continua a ser o mais importante aliado do regime norte-coreano, apesar do distanciamento entre os dois aliados ideológicos, devido ao programa nuclear e de mísseis balísticos empreendido por Pyongyang.

Um veículo escoltado entrou na segunda-feira na Residência de Hóspedes Oficiais Diaoyutai, em Pequim, e uma guarda de honra militar foi avistada no local mais tarde, depois de duas emissoras japonesas terem noticiado a chegada a Pequim de um comboio oriundo da Coreia do Norte, sob fortes medidas de segurança.

O líder norte-coreano tem encontros planeados com o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, no final de abril, e com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em maio.

Uma porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros disse não ter informações, enquanto a imprensa norte-coreana não noticiou qualquer visita oficial a Pequim. Já o gabinete presidencial da Coreia do Sul afirmou que não pode confirmar as alegações de que o comboio transportou Kim ou a sua irmã, Kim Yo-jong.

Desde que ascendeu ao poder, em 2011, Kim tem cultivado uma noção de igualdade nas relações com Pequim, pelo que seria improvável que este se deslocasse a Pequim para um primeiro encontro com líderes chineses, segundo analistas.

O mais provável é que Kim tenha enviado a sua irmã, visando solidificar a aliança com a China, nas vésperas de o líder norte-coreano se reunir com os Presidentes da Coreia do Sul e dos EUA.

Analistas sul-coreanos dizem estar céticos de que se trata de uma visita de Kim Jong-un.

Kim Yo-jong poderá procurar que a China se comprometa com o país, caso o diálogo com Seul e Washington fracassem, segundo um pesquisador do Instituto de Estudos políticos de Asan, em Seul.

"A Coreia do Norte não quer transmitir a mensagem de que a China foi posta de lado enquanto faz uma aproximação diplomática aos EUA e Coreia do Sul", afirma Cha, citado pela agência Associated Press.

"Se o diálogo com a Coreia do Sul e os EUA falhar, a Coreia do Norte irá certamente voltar a demonstrar as suas capacidades nucleares outra vez. O enviado especial pode abordar essa possibilidade com funcionários chineses, e apelar à China que não reforce as sanções caso isso suceda", acrescentou.

Na semana passada, o jornal oficial do Partido Comunista Chinês Global Times defendeu a importância da aliança entre Pequim e Pyongyang.

"Será difícil e perigoso [para Pyongyang] lidar só com Seul, Washington e Tóquio. O apoio da China pode reduzir em muito os riscos", afirmou.

Reportagens dão conta de que foram tomadas fortes medidas de segurança na Ponte da Amizade, que liga a Coreia do Norte à China, antes do comboio atravessar.

A emissora japonesa avança que o comboio verde e amarelo, com 21 carruagens, é semelhante àquele que anteriormente transportou o ex-líder norte-coreano Kim Jong Il, na sua última deslocação a Pequim, em 2011.

O vídeo transmitido pela NTV mostra ainda várias limusinas pretas a aguardar na estação de comboios e soldados chineses a marchar na plataforma da estação, mas não mostra imagens de ninguém a sair do comboio.

(Notícia atualizada às 11h15)

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.