Comboio com combustível nuclear atacado por traficantes brasileiros

Ainda não são conhecidas as razões que levaram ao ataque. Não há registo de feridos ou detidos na sequência do episódio.

Um comboio que transportava urânio foi atacado por um grupo de traficantes brasileiros, esta terça-feira, em Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio de Janeiro, quando se encontrava a caminho da central nuclear Angra 2. Segundo o portal de notícias G1, os traficaram abriram fogo quando o comboio passava pelo bairro Frade, a poucos quilómetros do destino.

De acordo com a mesma fonte, que cita a Polícia Rodoviária Federal, foram disparados tiros contra os agentes que garantiam a segurança do transporte, o que levou a que reagissem, registando-se uma troca de tiros.

A carga do comboio não foi afetada, pelo que não houve qualquer interrupção na viagem até ao destino final.

O comboio transportava urânio produzido nas Indústrias Nucleares do Brasil (INB), uma unidade localizada em Resende, no Sul do Rio de Janeiro, tendo sido escoltado durante todo o percurso pela Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar, Equipa de Emergência da Eletronuclear e Bombeiros da INB.

Segundo o G1, o transporte da carga de urânio é feito em recipientes blindados.

Questionada pelo portal de notícias, a Polícia Civil adiantou que ainda não são conhecidos os motivos que levaram ao tiroteio, mas tudo indica que possa estar relacionado com problemas entre fações rivais pelo domínio de pontos de vendas de drogas na região.

Em comunicado, a Polícia Rodoviária Federal adianta que não houve feridos durante o incidente, nem se registaram detidos. No entanto, durante a troca de tiros os traficantes deixaram cair o carregador de uma arma com 12 munições de calibre 9 mm, que será apresentado na Polícia Judiciária.

A versão da Eletronuclear, a agência nuclear do governo brasileiro, é, no entanto, de que não houve um ataque ao comboio que transportava combustível nuclear. Segundo a mesma, ouviram-se tiros quando o comboio passava pelo bairro Frade, e, "por precaução, e como contingência", os elementos do Batalhão de Choque que acompanhavam o transporte posicionaram-se nas "margens da rodovia, de forma a garantir a segurança do comboio, que em nenhum momento foi interrompido".

A empresa conta que, após a passagem do comboio, alguns indivíduos efetuaram disparos contra uma viatura da Polícia Rodoviária Federal, mas não houve feridos nem danos materiais.

Se os tiros atravessassem os recipientes, o combustível nuclear poderia ficar danificado, mas a população não ficaria em risco. "O urânio contido num elemento combustível está em estado natural, tendo o mesmo nível de radioatividade encontrado na natureza", informou a Eletronuclear.

Exclusivos