Colômbia enviou 50 toneladas de pernil para a Venezuela

Havia 2.200 toneladas retidas naquele país

A Colômbia enviou 50 toneladas de pernil de porco para a Venezuela, onde tem escasseado este popular alimento de fim de ano, deixando irritados os venezuelanos que enfrentam dificuldades.

Os dois primeiros camiões oriundos da Colômbia transportando cerca de 50 toneladas de pernil chegaram sexta-feira à noite à Venezuela, informou uma fonte da direção da Alfândega colombiana.

"Há outros camiões prontos (para sair), mas ainda não terminaram as formalidades", acrescentou a mesma fonte.

A falta de pernil de porco levou à realização, nos últimos dias, de pequenas manifestações na Venezuela, onde as pessoas esperavam que esta mercadoria estivesse disponível e vendida a preços subsidiados para as celebrações do final do ano, como prometido pelo presidente Nicolás Maduro.

Maduro reconheceu que houve dificuldades na distribuição dos famosos pernis, mas justificou o problema com um alegado boicote internacional ligado, em sua opinião, às severas sanções financeiras impostas por Washington e a uma "sabotagem" de Portugal, de onde é importada esta carne.

Na sequência das declarações de Maduro, o ministro dos Negócios Estrangeiros português rejeitou sexta-feira a acusação de sabotagem à venda de carne de porco, frisando que Portugal é uma economia de mercado em que o governo não interfere nas relações entre empresas.

Depois foi o ministro da Agricultura Urbana, Freddy Bernal, que disse que afinal era a Colômbia que tinha 2.200 toneladas do produto retidas na fronteira.

Mais tarde Maduro voltou a fazer acusações, dirigindo-se ao presidente do parlamento, o opositor Julio Borges.

Segundo o Presidente venezuelano, Borges está há um mês fora do país "a conspirar para que ninguém venda um só produto à Venezuela, para que não chegue um barco à Venezuela e para que as importações necessárias (...) não cheguem".

Afundados numa profunda crise política e económica, os venezuelanos enfrentam uma grave escassez de alimentos básicos e de medicamentos, enquanto o FMI prevê uma inflação de 2.300% em 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.

Premium

Rogério Casanova

A longa noite das facas curtas

No terceiro capítulo do romance Time Out of Joint, o protagonista decide ir comprar uma cerveja num quiosque de refrigerantes que avistou à distância. Quando se aproxima, o quiosque de refrigerantes torna-se transparente, decompõe-se em moléculas incolores e por fim desaparece; no seu lugar, fica apenas um pedaço de papel, com uma frase inscrita em letras maiúsculas "QUIOSQUE DE REFRIGERANTES". É o episódio paradigmático de toda a obra de Philip K. Dick, na qual a realidade é sempre provisória e à mercê de radicais desestabilizações, e um princípio criativo cuja versão anémica continua a ser adoptada por qualquer produtor, realizador ou argumentista que procura tornar o seu produto intrigante sem grande dispêndio de imaginação.

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?