Colômbia e FARC acordam retirada de menores de 15 anos da guerrilha

"Devolveremos as crianças recrutadas pelas FARC às suas famílias. Elas são o futuro de um país em paz", disse o presidente colombiano

O Governo colombiano e a guerrilha das FARC anunciaram no domingo um acordo para a retirada de menores de 15 anos dos acampamentos do grupo guerrilheiro.

O acordo inclui ainda a elaboração de um plano para a desmobilização progressiva dos menores de 18 que integram as fileiras das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e um programa para a reintegração na sociedade civil de todas as crianças e adolescentes que saiam da guerrilha, segundo um comunicado conjunto.

Em fevereiro, as FARC haviam já assumido o compromisso de não voltar a recrutar menores de 18 anos. Todos os menores que saiam da guerrilha serão considerados vítimas e os que têm menos de 14 anos nunca poderão ser considerados penalmente responsáveis, segundo o acordo. O negociador das FARC, "Ivan Marquez", disse que há 21 menores de 15 anos nos acampamentos da guerrilha.

"Alcançámos um acordo com o Governo para que os menores (...) possam voltar a ser acolhidos de forma segura nas suas comunidades de origem, no âmbito de um programa de proteção, de forma a que estes rapazes não voltem a sentir-se desamparados", afirmou "Ivan Marquez", 'nome de guerra' de Luciano Marín e número dois das FARC.

O negociador do Governo da Colômbia, Humberto de la Calle, disse que as FARC se comprometeram a dar toda a informação necessária para identificar e instalar os menores e que os guerrilheiros colaborarão com a sua saída dos acampamentos. A reinstalação e acompanhamento dos menores contará com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Organização Internacional das Migrações (OIM).

"Na construção da paz devemos zelar para que os jovens e as crianças estejam com as suas famílias, vão à escola, vivam uma infância e juventude plenas e nunca mais sejam usados como instrumentos dentro da guerra", sublinhou Humberto de la Calle.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, já manifestou a sua satisfação com o acordo, que foi anunciado em Havana, onde decorrem há mais de três anos negociações de paz entre o executivo da Colômbia e as FARC, sob a mediação de Cuba.

"Conseguimos um acordo histórico em Havana para retirar as crianças da guerra", escreveu Juan Manuel Santos na sua conta na rede social Twitter. "Devolveremos as crianças recrutadas pelas FARC às suas famílias. Elas são o futuro de um país em paz", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.