Colômbia e FARC acordam retirada de menores de 15 anos da guerrilha

"Devolveremos as crianças recrutadas pelas FARC às suas famílias. Elas são o futuro de um país em paz", disse o presidente colombiano

O Governo colombiano e a guerrilha das FARC anunciaram no domingo um acordo para a retirada de menores de 15 anos dos acampamentos do grupo guerrilheiro.

O acordo inclui ainda a elaboração de um plano para a desmobilização progressiva dos menores de 18 que integram as fileiras das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e um programa para a reintegração na sociedade civil de todas as crianças e adolescentes que saiam da guerrilha, segundo um comunicado conjunto.

Em fevereiro, as FARC haviam já assumido o compromisso de não voltar a recrutar menores de 18 anos. Todos os menores que saiam da guerrilha serão considerados vítimas e os que têm menos de 14 anos nunca poderão ser considerados penalmente responsáveis, segundo o acordo. O negociador das FARC, "Ivan Marquez", disse que há 21 menores de 15 anos nos acampamentos da guerrilha.

"Alcançámos um acordo com o Governo para que os menores (...) possam voltar a ser acolhidos de forma segura nas suas comunidades de origem, no âmbito de um programa de proteção, de forma a que estes rapazes não voltem a sentir-se desamparados", afirmou "Ivan Marquez", 'nome de guerra' de Luciano Marín e número dois das FARC.

O negociador do Governo da Colômbia, Humberto de la Calle, disse que as FARC se comprometeram a dar toda a informação necessária para identificar e instalar os menores e que os guerrilheiros colaborarão com a sua saída dos acampamentos. A reinstalação e acompanhamento dos menores contará com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Organização Internacional das Migrações (OIM).

"Na construção da paz devemos zelar para que os jovens e as crianças estejam com as suas famílias, vão à escola, vivam uma infância e juventude plenas e nunca mais sejam usados como instrumentos dentro da guerra", sublinhou Humberto de la Calle.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, já manifestou a sua satisfação com o acordo, que foi anunciado em Havana, onde decorrem há mais de três anos negociações de paz entre o executivo da Colômbia e as FARC, sob a mediação de Cuba.

"Conseguimos um acordo histórico em Havana para retirar as crianças da guerra", escreveu Juan Manuel Santos na sua conta na rede social Twitter. "Devolveremos as crianças recrutadas pelas FARC às suas famílias. Elas são o futuro de um país em paz", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.