Coligação separatista basca apela à mobilização contra "assalto" policial na Catalunha

O dirigente independentista condenou que "tropas da Guardia Civil, chegadas por mar", tenham "assaltado o Palácio da Generalitat", uma operação policial para impedir o referendo de 01 de outubro

O coordenador geral do partido separatista espanhol EH Bildu apelou hoje à sociedade basca para que se mobilize perante o "assalto" de "tropas da Guardia Civil" hoje de manhã "ao Palácio da Generalitat", sede do Governo catalão.

A Guardia Civil espanhola deteve 14 pessoas na Catalunha, entre as quais vários quadros do governo autónomo, e está a proceder a buscas em 22 locais em Barcelona relacionados com o referendo independentista, suspenso pelo Tribunal Constitucional.

O coordenador geral do Euskal Herria Bildu (EH Bildu), Arnaldo Otegui, reuniu-se hoje "de urgência" com seis dirigentes da coligação nacionalista, na capital do País Basco, Vitória, devido à "grave" situação que se vive na Catalunha.

O dirigente independentista condenou que "tropas da Guardia Civil, chegadas por mar", tenham "assaltado o Palácio da Generalitat", uma operação policial para impedir o referendo de 01 de outubro.

"Não existe Estado democrático no Estado espanhol" nem "um interlocutor democrático" com quem discutir o processo de soberania catalão, sustentou Otegui, que considerou que o Partido Nacionalista Basco "não pode continuar nem mais um minuto a apoiar este Governo antidemocrático" que "está disposto a usar a força para impedir que os catalães" decidam o seu futuro.

"Exigimos-lhes que o corrijam e que o façam urgentemente, já, porque senão, serão cúmplices" do que está a acontecer, acrescentou.

Perante a atual situação, o líder do EH Bildu defendeu "a mobilização popular" que, no seu entender, "será a chave" dos acontecimentos nos próximos dias.

O responsável apelou aos cidadãos bascos para que apoiem, esta tarde, as concentrações que a coligação convocou em frente às autarquias de vilas e cidades do País Basco "em solidariedade com a Catalunha" e para "denunciar um Estado autoritário e antidemocrático" e "defender a soberania nacional" basca.

Otegui também felicitou o povo catalão por "tomar as ruas", porque "estas são" dos catalães "e não da Guardia Civil" e anunciou que a formação que lidera "vai intensificar" as relações com os partidos políticos "democráticos" e os agentes sociais e sindicais "para articular a defesa da soberania de Euskal Herria" (País Basco, em basco).

O conflito entre Madrid a Catalunha, a região mais rica de Espanha, com uma língua e cultura próprias, cerca de 7,5 milhões de habitantes e um PIB superior ao de Portugal, arrasta-se há várias décadas.

Os partidos separatistas têm uma maioria de deputados no parlamento regional da Catalunha desde setembro de 2015, o que lhes deu a força necessária, em 2016, para declararem que iriam organizar este ano um referendo sobre a independência, mesmo sem o acordo de Madrid.

Os independentistas defendem que cabe apenas aos catalães a decisão sobre a permanência da região em Espanha, enquanto Madrid se apoia na Constituição do país para insistir que a decisão sobre uma eventual divisão do país tem de ser tomada pela totalidade dos espanhóis.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.