Coligação alemã agrava crise de popularidade

Verdes e Alternativa para a Alemanha captam descontentes do governo liderado por Angela Merkel. Social-democratas caem para quarto lugar.

Se as eleições legislativas se realizassem no domingo, os democratas-cristãos da CDU-CSU e os social-democratas do SPD seriam castigados com as votações mais baixas de sempre, indica a última sondagem da Infratest Dimap para o canal ARD.

Os partidos irmãos CDU-CSU registam 26% de intenção de votos, menos três pontos do que no mês anterior. Em segundo lugar aparecem agora os Verdes, com 17%, mais três pontos do que na sondagem anterior.

O mesmo número de pontos foi subtraído às intenções de voto nos social-democratas: o SPD tem agora apenas 15% e é a quarta força política.

O partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) mantém a mesma intenção de voto, 16%, tal como a Esquerda (Die Linke) permanece com 10%.

Nas eleições de setembro de 2017, a CDU-CSU alcançou 32,9%, o SPD 20,5% (o valor mais baixo de sempre do partido), a AfD 12,6%, o FDP 10,7%, a Esquerda 9,2% e os Verdes 8,9%.

Insatisfação com o governo

Na mesma sondagem, só 24% dos alemães mostraram-se satisfeitos ou muito satisfeitos com a grande coligação CDU-CSU-SPD. O dossiê que reúne mais insatisfeitos é o escândalo relacionado com a fraude das emissões diesel: apenas 10% está satisfeito. A política de habitação é reprovada por um número esmagador de alemães: só 16% estão satisfeitos com o governo da chanceler Angela Merkel.

Em sentido contrário, a maioria mostra-se favorável à política económica (59%) e metade dos eleitores aprovam a política relativa ao combate ao crime.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.