Coletes amarelos recuperam força e chegam aos 84 mil

Mobilização voltou a subir de forma considerável neste fim de semana. De acordo com o Ministério do Interior francês estiveram 84 mil nas ruas, mais 35 mil do que na semana passada

O "acto IX" dos protestos dos coletes amarelos em França mostrou que a onda de contestação está ainda longe do final. Depois de um abrandamento considerável nas semanas das festas de Natal e final de ano, 84 mil pessoas estiveram neste sábado nas ruas do país - cerca de oito mil das quais em paris, avança o Le Monde com base em estimativas divulgadas ao final do dia pelo Ministério do Interior. São cerca de 35 mil manifestantes a mais do que há uma semana.

Curiosamente, o dia até parecia ter começado de forma bastante branda, com a contabilidade até ao meio da tarde a não ir além dos 34 mil.

A nona semana consecutiva confirmou, por outro lado, a tendência para a pacificação dos protestos, com poucos incidentes violentos. Ainda assim, a nível nacional, pouco mais de 200 pessoas foram identificadas pela polícia por participarem em distúrbios, registando-se ainda sete feridos: três polícias e quatro manifestantes.

"Ao longo da semana apelei ao fim da violência e vi que hoje em Paris a responsabilidade venceu a vontade de confrontação. Agora o lugar é dado ao grande debate nacional, que vai começar na terça-feira e deve decorrer num clima sereno e construtivo", resumiu o ministro do Interior, Christophe Castaner, numa declaração à AFP citada pela Agência Lusa.

Além de Paris, a comuna de Bourges, no centro do país, foi um dos principais palcos dos protestos do dia, com os discursos de Maxime Nicolle (mais conhecido pela alcunha de Fly Ryder) e Priscillia Ludosky, figuras proeminentes do movimento dos coletes amarelos, a ajudarem a concentrar mais de 6300 pessoas no centro histórico.

várias outras cidades francesas juntaram números de manifestantes próximos dos seis mil, sendo que -tal como tem sido norma ao longo das últimas semanas - a polícia marcou presença nas ruas em força, com cerca de 80 mil agentes destacados.

Os protestos dos coletes amarelos começaram pela contestação ao aumento dos impostos sobre o gasóleo mas acabaram por evoluir para um movimento mais abrangente de defesa de maior justiça social e equidade no país. O governo já anunciou várias medidas destinadas a aumentar o poder de compra dos franceses mas os manifestantes continuam a exigir mais reformas e, em alguns casos, a demissão do governo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.