Colégio cede a pressão das mães e expulsa criança com Asperger da sala

Criança frequenta o quarto ano. Mães dos colegas pediam que fosse expulso da escola, mas os responsáveis acabaram por mudá-lo de turma, decisão que foi "celebrada" nas redes sociais

A expulsão de uma criança com síndrome de Asperger, uma perturbação do espetro do autismo, de uma sala de aula num colégio religioso na Argentina está a gerar indignação nas redes sociais. Não só pelo facto de o menino ter sido obrigado a trocar de sala, depois de muita pressão dos pais dos colegas, mas sobretudo pela "celebração" que as mães fizeram quando souberam que a escola ia aceitar as reivindicações e mudar a criança com Asperger de turma.

O colégio de San Antonio de Padua, na província argentina de San Luís, cedeu após vários meses de pressão dos pais, que chegaram a ameaçar não levar os seus filhos à escola caso a criança não fosse expulsa da escola. Ainda assim, os responsáveis da escola decidiram mudar o menino de turma, para contornar os pedidos de expulsão. A síndrome de Asperger afeta a interação social e a comunicação verbal e não verbal, levando frequentemente a casos de discriminação.

Rosaura Gomez, a tia da criança - que frequenta o quarto ano - denunciou o caso nas redes sociais, mostrando conversas de WhatsApp entre várias mães que se mostravam satisfeitíssimas com a decisão do colégio.

As mensagens de WhatsApp mostradas pela tia do menino

"Até que enfim uma boa notícia", "que bom para os meninos, que podem trabalhar e estar tranquilos", graças a Deus" ou "um alívio para nós", são algumas das reações, reproduzidas pelo El Mundo.

A publicação de Facebook de Rosaura Gomez

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.