Cocktail Molotov mata 16 pessoas em restaurante do Cairo

Responsável pelo ataque será um empregado que tinha sido despedido do estabelecimento na capital egípcia [Em atualização]

Pelo menos 16 pessoas morreram na sequência do lançamento de um cocktail Molotov num restaurante do Cairo. Segundo a agência Reuters, que cita fonte das autoridades egípcias, um dos responsáveis pelo ataque será um antigo empregado, que tinha sido despedido do estabelecimento na área de Aguza, no centro da cidade. Inicialmente, a Reuters tinha avançado com 18 mortes. Duas pessoas terão ainda ficado feridas no acidente.

A agência de notícias conta ainda que o restaurante, que também é discoteca, fica numa cave, não oferecendo escapatória. O lançamento do cocktail Molotov provocou queimaduras e causou dificuldades respiratórias nas pessoas que ali se encontravam.

O autarca de Aguza, Ahmed Abdelrahim, assegurou que se tratou de "um evento criminoso", provavelmente devido a uma disputa, e não a um ato terrorista.

Em declarações à televisão estatal egípcia, Abdelrahim explicou que entre os mortos há empregados do estabelecimento, e que o ataque foi perpetrado cerca das 07:00 locais (05:00 em Lisboa).

As primeiras informações indicam que três pessoas que se transportavam num motociclo lançaram os 'cocktails molotov' contra o edifício, provocando um incêndio, e fugiram do local.

As forças de segurança inspecionaram a zona a fim de deter os atacantes, enquanto os agentes da proteção civil apagaram o fogo.

A segurança agravou-se no Egito após a revolução de 2011 (Primavera Árabe), com um aumento da criminalidade e atentados terroristas, mas são raros os ataques a casas noturnas.

Um responsável da segurança avançou que o incidente terá sido provocado por uma disputa entre os funcionários do clube e um grupo de adolescentes, que será responsável pelo ataque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.