CNN responde à suspensão das suas emissões na Venezuela

A cadeia de televisão defendeu a investigação sobre passaportes falsos que deram origem a uma reportagem que motivou a indignação venezuelana

O canal televisivo CNN, em espanhol, defendeu esta quarta-feira a sua investigação, que deu origem a uma reportagem, sobre uma alegada venda de passaportes da Venezuela a cidadãos do Médio Oriente, em resposta às críticas do Governo venezuelano.

A Venezuela suspendeu quarta-feira as emissões da cadeia televisiva CNN em espanhol, depois de notícias sobre passaportes falsos, noticiou a Associated Press.

A reportagem, intitulada "Passaportes na Sombra", foi emitida na semana passada e foi agora alvo das críticas da ministra dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Delcy Rodríguez, que a qualificou como "uma absoluta mentira".

Num vídeo, a cadeia televisiva norte-americana defendeu a reportagem, sublinhando que "CNN dedicou a 'Passaportes na Sombra' mais de um ano de investigação, durante o qual se analisaram milhares de documentos e realizaram-se entrevistas em quatro países".

"Apoiamos a nossa investigação, o nosso trabalho jornalístico, incluindo as fontes que usámos, e o trabalho dos jornalistas que participaram", afirmou o canal.

"A CNN quer deixar claro que uma coisa são as penalidades por tráfico de drogas das autoridades norte-americanas, outra, as denúncias da nossa investigação sobre irregularidades nos documentos venezuelanos".

O canal referia-se às sanções económicas impostas na segunda-feira passada pelo Governo de Washington ao vice-presidente da Venezuela, Tarek El Aissami, por "desempenhar um papel significativo no tráfico internacional de narcóticos".

"Não há nenhuma ligação entre as duas questões" afirma a CNN, reagindo aos comentários da ministra venezuelano.

Numa conferência de imprensa esta quarta-feira em Caracas, Rodríguez afirmou: "A CNN em espanhol lançou uma operação de guerra psicológica, uma guerra de propaganda, uma operação contra o nosso país".

"Tudo o que vocês pretenderam vender nesse programa é absolutamente uma mentira", disse o chefe da diplomacia venezuelana, classificando a questão como "muito grave".

Ao suspender as emissões da CNN, a Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) da Venezuela abriu quarta-feira um "processo administrativo punitivo" contra a CNN em espanhol, por "presumivelmente" atentar "contra a paz e a estabilidade democrática" do país.

"Tal procedimento refere-se ao conteúdo difundido pela citada cadeia internacional de notícias, de forma sistemática e reiterada no desenvolvimento na sua programação diária", segundo o comunicado divulgado pela Conatel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.