CNN responde à suspensão das suas emissões na Venezuela

A cadeia de televisão defendeu a investigação sobre passaportes falsos que deram origem a uma reportagem que motivou a indignação venezuelana

O canal televisivo CNN, em espanhol, defendeu esta quarta-feira a sua investigação, que deu origem a uma reportagem, sobre uma alegada venda de passaportes da Venezuela a cidadãos do Médio Oriente, em resposta às críticas do Governo venezuelano.

A Venezuela suspendeu quarta-feira as emissões da cadeia televisiva CNN em espanhol, depois de notícias sobre passaportes falsos, noticiou a Associated Press.

A reportagem, intitulada "Passaportes na Sombra", foi emitida na semana passada e foi agora alvo das críticas da ministra dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Delcy Rodríguez, que a qualificou como "uma absoluta mentira".

Num vídeo, a cadeia televisiva norte-americana defendeu a reportagem, sublinhando que "CNN dedicou a 'Passaportes na Sombra' mais de um ano de investigação, durante o qual se analisaram milhares de documentos e realizaram-se entrevistas em quatro países".

"Apoiamos a nossa investigação, o nosso trabalho jornalístico, incluindo as fontes que usámos, e o trabalho dos jornalistas que participaram", afirmou o canal.

"A CNN quer deixar claro que uma coisa são as penalidades por tráfico de drogas das autoridades norte-americanas, outra, as denúncias da nossa investigação sobre irregularidades nos documentos venezuelanos".

O canal referia-se às sanções económicas impostas na segunda-feira passada pelo Governo de Washington ao vice-presidente da Venezuela, Tarek El Aissami, por "desempenhar um papel significativo no tráfico internacional de narcóticos".

"Não há nenhuma ligação entre as duas questões" afirma a CNN, reagindo aos comentários da ministra venezuelano.

Numa conferência de imprensa esta quarta-feira em Caracas, Rodríguez afirmou: "A CNN em espanhol lançou uma operação de guerra psicológica, uma guerra de propaganda, uma operação contra o nosso país".

"Tudo o que vocês pretenderam vender nesse programa é absolutamente uma mentira", disse o chefe da diplomacia venezuelana, classificando a questão como "muito grave".

Ao suspender as emissões da CNN, a Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) da Venezuela abriu quarta-feira um "processo administrativo punitivo" contra a CNN em espanhol, por "presumivelmente" atentar "contra a paz e a estabilidade democrática" do país.

"Tal procedimento refere-se ao conteúdo difundido pela citada cadeia internacional de notícias, de forma sistemática e reiterada no desenvolvimento na sua programação diária", segundo o comunicado divulgado pela Conatel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.