Chefe a Google critica Trump por retirar EUA do Acordo de Paris

"Vai ser mais caro agir dentro de 20 anos do que hoje" disse Eric Schmidt

O patrão da casa-mãe da Google, Eric Schmidt, criticou hoje a decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, de retirar os EUA do acordo de Paris para combater o aquecimento global.

"Apenas para que fique claro: é muito fácil perceber que o planeta está a aquecer relativamente depressa. Vai ser mais caro agir dentro de 20 anos do que hoje", declarou o presidente da Alphabet, a 'holding' da multinacional de serviços 'online' e 'software' Google, por ocasião do Paris Air Forum, que reuniu o mundo da aeronáutica na véspera do salão do Bourget, perto de Paris.

"Penso que a América vai continuar a ser um ator significativo" do setor, prosseguiu, garantindo que "a boa notícia é que as empresas vão continuar a reduzir as produções de carbono com ou sem regulamentações governamentais".

Concluído em 12 de dezembro de 2015 na capital francesa, assinado por 195 países e já ratificado por 147, o Acordo de Paris entrou formalmente em vigor em 04 de novembro de 2016, e visa limitar a subida da temperatura mundial, reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa.

Quando anunciou, a 01 de junho passado, a decisão de retirar os Estados Unidos da América (EUA) do Acordo, por este ser alegadamente "desvantajoso" para o país, Trump afirmou-se disponível para negociar um novo compromisso em termos "mais justos", cenário imediatamente rejeitado pela generalidade da comunidade internacional, incluindo a União Europeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.