Guterres pede mais ambição na luta contra as mudanças climáticas

O secretário-geral da ONU refere que são necessários cortes significativos nas emissões de gases de estufa

António Guterres, pediu esta quarta-feira, na abertura do segmento de alto nível da Conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas (COP23), mais ambição, mais liderança e mais parcerias na luta contra o aquecimento global.

"O nosso dever, uns para com os outros e para as gerações futuras, é aumentar a nossa ambição", disse o secretário-geral da ONU, numa cerimónia em que participavam vários chefes de estado, como a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Emmanuel Macron.

"Precisamos de fazer mais nestas cinco áreas de ação: emissões, adaptação, finanças, parcerias e liderança", disse António Guterres, sublinhando que as alterações climáticas são o "desafio que define" a nossa época e que um aumento de ambição é um "dever" de todos.

O líder da ONU lembrou que o mundo tem cinco anos para implementar medidas que tornem possível conter o aumento da temperatura do planeta nos 1,5 graus celsius acima dos valores médios da época pré-industrial, mas avisou os líderes presentes que esse objetivo exige cortes significativos nas emissões de gases de estufa.

Guterres pediu aos líderes "que mostrem coragem a combater os interesses instalados" e mostrou dados sobre a China e a Índia que mostram os países a ultrapassar os seus objetivos de redução de emissão de gases com efeito de estufa, registando ao mesmo tempo altos níveis de crescimento económico.

A COP23, que começou a 6 de novembro, acontece um ano após a entrada em vigor do Acordo de Paris.

Depois da entrada da Síria no acordo no início do mês, os EUA são agora o único país do mundo que pretende não aderir ao documento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...