Guterres pede mais ambição na luta contra as mudanças climáticas

O secretário-geral da ONU refere que são necessários cortes significativos nas emissões de gases de estufa

António Guterres, pediu esta quarta-feira, na abertura do segmento de alto nível da Conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas (COP23), mais ambição, mais liderança e mais parcerias na luta contra o aquecimento global.

"O nosso dever, uns para com os outros e para as gerações futuras, é aumentar a nossa ambição", disse o secretário-geral da ONU, numa cerimónia em que participavam vários chefes de estado, como a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Emmanuel Macron.

"Precisamos de fazer mais nestas cinco áreas de ação: emissões, adaptação, finanças, parcerias e liderança", disse António Guterres, sublinhando que as alterações climáticas são o "desafio que define" a nossa época e que um aumento de ambição é um "dever" de todos.

O líder da ONU lembrou que o mundo tem cinco anos para implementar medidas que tornem possível conter o aumento da temperatura do planeta nos 1,5 graus celsius acima dos valores médios da época pré-industrial, mas avisou os líderes presentes que esse objetivo exige cortes significativos nas emissões de gases de estufa.

Guterres pediu aos líderes "que mostrem coragem a combater os interesses instalados" e mostrou dados sobre a China e a Índia que mostram os países a ultrapassar os seus objetivos de redução de emissão de gases com efeito de estufa, registando ao mesmo tempo altos níveis de crescimento económico.

A COP23, que começou a 6 de novembro, acontece um ano após a entrada em vigor do Acordo de Paris.

Depois da entrada da Síria no acordo no início do mês, os EUA são agora o único país do mundo que pretende não aderir ao documento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.