Ciudadanos fora das negociações para formar governo

Ao cenário pós-eleitoral de aparente impasse redes sociais respondem com Tabarnia, uma comunidade autónoma que une Barcelona e Tarragona

O Partido Popular desafiou Inés Arrimadas a tentar constituir governo na Catalunha, mas o Ciudadanos, a duas vozes, reiterou que, para já, esse cenário não é possível. Um cenário remoto, mas que ganhou visibilidade nas últimas horas, é o da criação de Tabarnia, uma comunidade autónoma de Espanha que se formaria em secessão a uma Catalunha independente.

"Arrimadas ganhou as eleições, mas estamos conscientes da aritmética parlamentar e sabemos somar", afirmou ontem o secretário--geral do Ciudadanos no Congresso, Miguel Gutiérrez. O deputado recusou a analogia entre este momento e o de Mariano Rajoy, em 2015, quando este recusou perante o rei Felipe VI apresentar-se como candidato à investidura para chefe do governo, devido à perda da maioria de assentos parlamentares - e foi criticado pelo Ciudadanos. Para Gutiérrez não existia em Espanha a "fratura social" causada pelo governo de Carles Puigdemont nem um Parlamento dividido entre constitucionalistas e independentistas.

"Não renunciamos a coisa alguma. É evidente que conseguimos vencer as eleições autonómicas, mas também é evidente que há que formar governo com formações constitucionalistas e estas somam o que somam", resumiu a situação, por sua vez, o secretário-geral do Ciudadanos, José Manuel Villegas.

Nas eleições autonómicas de 21 de dezembro, o Ciudadanos ficou em primeiro lugar ao obter 25,37% dos votos e elegeu 37 deputados. Mas o bloco independentista (Junts per Catalunya, Esquerra Republicana e CUP) elegeu 70 representantes, obtendo a maioria parlamentar. Há a dúvida, porém, se os políticos presos e ausentes em Bruxelas vão conseguir formar governo.

Os dirigentes do Ciudadanos responderam ao repto lançado pelo coordenador-geral do PP, Fernando Martínez-Maillo, à vencedora das eleições, Inés Arrimadas, em "tentar formar governo", hipótese que "não deve ser dada de bandeja" aos independentistas. Também o porta-voz do PP no Congresso criticou a estratégia de Arrimadas. "Não me parece certo alguém ganhar as eleições e atirar a toalha. Tem de reivindicar a vitória e as suas consequências", comentou Rafael Hernando. Quanto aos "maus resultados" do PP - 4,24% e três deputados, menos sete do que em 2015 - Maillo afirmou que os dirigentes vão fazer uma reflexão, mas afastou qualquer responsabilidade do líder do partido, Mariano Rajoy.

A Plataforma per l"Autonomia de Barcelona, criada em 2012, e que também responde por Barcelona is not Catalonia, causou sensação nas últimas horas ao apresentar nas redes sociais a ideia da fusão das comarcas de Tarragona e Barcelona - a Tabarnia. Um referendo validaria a separação da Catalunha e a sua inclusão como região autónoma de Espanha. E o que é a Tabarnia? É uma região com "alta densidade de população, intensa relação comercial com o resto de Espanha; orgulho pelo bilinguismo; mentalidade aberta; mais rendimentos e maioria de votos não separatistas". A ideia, ou provocação, levou a que Albert Rivera, líder dos Ciudadanos, comentasse no Twitter: "Se os nacionalistas alegam o inexistente direito a dividir, qualquer um pode fazê-lo. Prefiro diversidade e união."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.