Ciudadanos fora das negociações para formar governo

Ao cenário pós-eleitoral de aparente impasse redes sociais respondem com Tabarnia, uma comunidade autónoma que une Barcelona e Tarragona

O Partido Popular desafiou Inés Arrimadas a tentar constituir governo na Catalunha, mas o Ciudadanos, a duas vozes, reiterou que, para já, esse cenário não é possível. Um cenário remoto, mas que ganhou visibilidade nas últimas horas, é o da criação de Tabarnia, uma comunidade autónoma de Espanha que se formaria em secessão a uma Catalunha independente.

"Arrimadas ganhou as eleições, mas estamos conscientes da aritmética parlamentar e sabemos somar", afirmou ontem o secretário--geral do Ciudadanos no Congresso, Miguel Gutiérrez. O deputado recusou a analogia entre este momento e o de Mariano Rajoy, em 2015, quando este recusou perante o rei Felipe VI apresentar-se como candidato à investidura para chefe do governo, devido à perda da maioria de assentos parlamentares - e foi criticado pelo Ciudadanos. Para Gutiérrez não existia em Espanha a "fratura social" causada pelo governo de Carles Puigdemont nem um Parlamento dividido entre constitucionalistas e independentistas.

"Não renunciamos a coisa alguma. É evidente que conseguimos vencer as eleições autonómicas, mas também é evidente que há que formar governo com formações constitucionalistas e estas somam o que somam", resumiu a situação, por sua vez, o secretário-geral do Ciudadanos, José Manuel Villegas.

Nas eleições autonómicas de 21 de dezembro, o Ciudadanos ficou em primeiro lugar ao obter 25,37% dos votos e elegeu 37 deputados. Mas o bloco independentista (Junts per Catalunya, Esquerra Republicana e CUP) elegeu 70 representantes, obtendo a maioria parlamentar. Há a dúvida, porém, se os políticos presos e ausentes em Bruxelas vão conseguir formar governo.

Os dirigentes do Ciudadanos responderam ao repto lançado pelo coordenador-geral do PP, Fernando Martínez-Maillo, à vencedora das eleições, Inés Arrimadas, em "tentar formar governo", hipótese que "não deve ser dada de bandeja" aos independentistas. Também o porta-voz do PP no Congresso criticou a estratégia de Arrimadas. "Não me parece certo alguém ganhar as eleições e atirar a toalha. Tem de reivindicar a vitória e as suas consequências", comentou Rafael Hernando. Quanto aos "maus resultados" do PP - 4,24% e três deputados, menos sete do que em 2015 - Maillo afirmou que os dirigentes vão fazer uma reflexão, mas afastou qualquer responsabilidade do líder do partido, Mariano Rajoy.

A Plataforma per l"Autonomia de Barcelona, criada em 2012, e que também responde por Barcelona is not Catalonia, causou sensação nas últimas horas ao apresentar nas redes sociais a ideia da fusão das comarcas de Tarragona e Barcelona - a Tabarnia. Um referendo validaria a separação da Catalunha e a sua inclusão como região autónoma de Espanha. E o que é a Tabarnia? É uma região com "alta densidade de população, intensa relação comercial com o resto de Espanha; orgulho pelo bilinguismo; mentalidade aberta; mais rendimentos e maioria de votos não separatistas". A ideia, ou provocação, levou a que Albert Rivera, líder dos Ciudadanos, comentasse no Twitter: "Se os nacionalistas alegam o inexistente direito a dividir, qualquer um pode fazê-lo. Prefiro diversidade e união."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.