Cirurgião plástico 'Doutor Bumbum' procurado no Brasil após morte em operação clandestina

O cirurgião plástico Denis Furtado, conhecido como 'Doutor Bumbum', é procurado desde terça-feira pelas autoridades brasileiras por causa de uma operação clandestina que resultou na morte de uma paciente, no Rio de Janeiro.

Seduzida pelas fotos do 'antes' e 'depois' das operações publicadas pelo cirurgião de 45 anos, que se intitula de 'Doutor Bumbum' e é seguido por mais de 650 mil pessoas no Instagram, Lilian Quezia Calixto, funcionária de um banco, não hesitou em viajar mais de dois mil quilómetros de Cuiabá, no estado de Mato Grosso, para o Rio de Janeiro.

Operada no último domingo no apartamento de Denis Furtado, na Barra da Tijuca, um bairro rico do Rio de Janeiro, sentiu-se indisposta e teve que ser hospitalizada.

Após quatro paragens cardíacas, acabou por morrer. Denis Furtado desapareceu e a sua namorada, que era também sua assistente, foi detida.

Procurado pela polícia

Acusado de homicídio e conspiração criminosa, o cirurgião é procurado pelas autoridades do Brasil, o segundo país do mundo onde são praticadas mais cirurgias estéticas, depois dos Estados Unidos. A mãe, que também assistia nas operações clandestinas que realizava, também.

O cirurgião usou uma controversa técnica de aumento das nádegas, injetando polimetilmetacrilato (PPMA).

A paciente "não apresentou qualquer complicação" durante a intervenção, disse Naira Baldanza, advogada de Denis Furtado, citada pelo site de notícias brasileiro G1. "Qualquer conclusão sobre a morte de Lilian e a possível responsabilidade do meu cliente (...) é prematura", acrescentou.

Segundo um comissário de polícia da Barra Tijuca, também citado pelo G1, a diretora do hospital onde a paciente foi transferida afirmou, na sua declaração à polícia, que Lilian Quezia Calixto "ainda estava lúcida e descreveu o que tinha acontecido".

"Não se pode praticar cirurgia plástica num apartamento"

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Estética (SBPC) denunciou uma "invasão de não-especialistas que têm causado cada vez mais casos fatais como este".

"Não se pode praticar cirurgia plástica num apartamento. Muitas pessoas vendem uma ilusão, uma fantasia, desprovida de qualquer ética, para pessoas fragilizadas, atraídas por preços baixos", disse o presidente da SBPC, Niveo Steffen, à agência de notícias France-Presse.

O mesmo responsável explicou que o aumento da injeção de biopolímeros glúteos, também chamada de bioplastia, apresenta muitos riscos e causou a morte de dezenas de mulheres na América Latina, incluindo a Venezuela.

O caso do "Doutor Bumbum" mostra uma certa "banalização das cirurgias estéticas realizadas por não especialistas, que às vezes nem são médicos e colocam a população em risco", sublinhou Steffen.

Segundo o G1, o cirurgião, que também atuava em Brasília, foi acusado quatro vezes pela polícia do Distrito Federal de exercício ilegal da medicina e crimes contra o consumidor.

Amigos de Liliana Calixto culpam o médico

Nas redes sociais, amigos e familiares de Liliana Calixto acusam Denis Furtado de negligência, escreve o jornal O Dia. "Minha cunhada Lilian Calixto foi vítima desse ser desumano, hoje foragido da polícia, e o meu irmão e minha sobrinha sofrendo as dores dessa grande perda. Estou de coração partido e com ódio de pessoas irresponsáveis", escreveu a cunhada.

Liliana Calixto tinha 46 anos, era casada e deixa dois filhos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.