Ciro Gomes: "Não sou, nem serei jamais, um anexo do PT e do Lula"

Candidato presidencial que mais se beneficia com saída de cena de Lula quer percurso eleitoral autónomo do ex-presidente

No trio elétrico montado em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista, em São Bernardo do Campo, Manuela D"Ávila e Guilherme Boulos, candidatos presidenciais, respetivamente, pelo Partido Comunista do Brasil e pelo Partido Socialismo e Liberdade, e Fernando Haddad, o militante do Partido dos Trabalhadores (PT) na calha para outubro de 2018, apareceram lado a lado na fotografia com Lula da Silva. E Ciro Gomes? Onde estava o candidato do Partido Democrático Trabalhista que tem potencial para ser o principal herdeiro dos votos do antigo presidente?

Em conferências em Harvard e no Massachusetts Institute of Techology, a nata da educação dos Estados Unidos, a longa distância, física e não só, da agitação popular de São Bernardo. "Porque é que não estou lá? Não sou, nem serei jamais, um anexo do PT e do Lula", começou por dizer aos jornalistas o antigo governador do Ceará e ex-prefeito de Fortaleza que ocupou três ministérios ao longo do consulado do velho metalúrgico no Palácio do Planalto. Mas recusou o rótulo de infidelidade: "Ao longo dos últimos 16 anos estive ao lado do Lula sem faltar um dia que fosse mas eles que reescrevam a história como quiserem".

Cético em relação à possibilidade de vir a receber de bandeja o apoio do PT - "é um partido que tem a tradição de apresentar sempre candidato próprio" - não deixa de piscar o olho à formação de uma frente ampla de esquerda - "precisamos de recuperar o diálogo e a serenidade". Ciro, que concorreu em 1998 e foi o terceiro mais votado atrás de Fernando Henrique Cardoso, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e de Lula, estranhou ainda "a rapidez que a justiça se impôs na condenação amarga a um e a falta dela em relação aos figurões corruptos do PSDB". "Ainda falta desratizar Brasília", disse.

Alckmin e Meirelles
As movimentações para as presidencial não passam apenas pela esquerda e a questão dos herdeiros dos votos de Lula: as últimas horas foram importantes para Henrique Meirelles, o ministro das Finanças, que entregou o cargo para poder candidatar-se às presidenciais. Agora filiado ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), de Michel Temer, Meirelles vai concorrer com o próprio presidente da República pelo lugar de candidato oficial do maior partido brasileiro.
Já Geraldo Alckmin, o candidato do PSDB que vem passando quase incólume pela Operação Lava-Jato sofreu ontem um revés com a prisão do ex-gestor financeiro do PSDB Paulo Souza no âmbito dessa operação. Souza é ligado ao governo do estado de São Paulo que Alckmin chefiou por 13 anos. "Não o conheço", reagiu, porém, Alckmin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.