Ciro Gomes: "Não sou, nem serei jamais, um anexo do PT e do Lula"

Candidato presidencial que mais se beneficia com saída de cena de Lula quer percurso eleitoral autónomo do ex-presidente

No trio elétrico montado em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista, em São Bernardo do Campo, Manuela D"Ávila e Guilherme Boulos, candidatos presidenciais, respetivamente, pelo Partido Comunista do Brasil e pelo Partido Socialismo e Liberdade, e Fernando Haddad, o militante do Partido dos Trabalhadores (PT) na calha para outubro de 2018, apareceram lado a lado na fotografia com Lula da Silva. E Ciro Gomes? Onde estava o candidato do Partido Democrático Trabalhista que tem potencial para ser o principal herdeiro dos votos do antigo presidente?

Em conferências em Harvard e no Massachusetts Institute of Techology, a nata da educação dos Estados Unidos, a longa distância, física e não só, da agitação popular de São Bernardo. "Porque é que não estou lá? Não sou, nem serei jamais, um anexo do PT e do Lula", começou por dizer aos jornalistas o antigo governador do Ceará e ex-prefeito de Fortaleza que ocupou três ministérios ao longo do consulado do velho metalúrgico no Palácio do Planalto. Mas recusou o rótulo de infidelidade: "Ao longo dos últimos 16 anos estive ao lado do Lula sem faltar um dia que fosse mas eles que reescrevam a história como quiserem".

Cético em relação à possibilidade de vir a receber de bandeja o apoio do PT - "é um partido que tem a tradição de apresentar sempre candidato próprio" - não deixa de piscar o olho à formação de uma frente ampla de esquerda - "precisamos de recuperar o diálogo e a serenidade". Ciro, que concorreu em 1998 e foi o terceiro mais votado atrás de Fernando Henrique Cardoso, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e de Lula, estranhou ainda "a rapidez que a justiça se impôs na condenação amarga a um e a falta dela em relação aos figurões corruptos do PSDB". "Ainda falta desratizar Brasília", disse.

Alckmin e Meirelles
As movimentações para as presidencial não passam apenas pela esquerda e a questão dos herdeiros dos votos de Lula: as últimas horas foram importantes para Henrique Meirelles, o ministro das Finanças, que entregou o cargo para poder candidatar-se às presidenciais. Agora filiado ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), de Michel Temer, Meirelles vai concorrer com o próprio presidente da República pelo lugar de candidato oficial do maior partido brasileiro.
Já Geraldo Alckmin, o candidato do PSDB que vem passando quase incólume pela Operação Lava-Jato sofreu ontem um revés com a prisão do ex-gestor financeiro do PSDB Paulo Souza no âmbito dessa operação. Souza é ligado ao governo do estado de São Paulo que Alckmin chefiou por 13 anos. "Não o conheço", reagiu, porém, Alckmin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.