Oito pessoas morrem em repentina inundação em reserva natural no sul de Itália

Cinco pessoas ficaram feridas, entre as quais um menino de cinco anos

Oito caminhantes morreram em consequência do súbito transbordo do rio Raganello, situado no parque nacional do Pollino, na Calábria, sul de Itália, devido a chuvas torrenciais e vento, anunciou hoje a proteção civil italiana.

"Temos oficialmente oito mortos, mas não podemos excluir que o balanço possa ainda aumentar", declarou o serviço de imprensa da proteção civil, citado pela agência noticiosa francesa AFP: "De acordo com as nossas informações, havia cerca de 30 pessoas no local, divididas em três grupos".

Fontes da presidência do Governo italiano citadas pela imprensa indicaram igualmente oito mortos -- quatro homens e quatro mulheres - e também cinco feridos, entre os quais um menino de cinco anos hospitalizado num centro próximo com problemas de hipotermia, e 14 pessoas resgatadas pelas equipas de salvamento da proteção civil e da corporação de bombeiros.

Segundo a imprensa, as pessoas que morreram faziam parte de um grupo de 15 caminhantes que foi surpreendido pelo transbordo do curso de água causado pelo mau tempo.

As buscas prosseguem, com a ajuda de um helicóptero, porque as equipas de socorro desconhecem o número preciso de caminhantes que se encontrava no parque no momento em que o rio transbordou.

Fortes projetores foram transportados para o local para as buscas prosseguirem, inclusive durante a noite.

Após várias horas de chuvas intensas e vento, as condições meteorológicas melhoraram ao fim da tarde naquela região da Calábria, próxima da cidade de Cosenza.

As gargantas do rio Raganello formam uma área natural protegida que se estende ao longo de 1600 hectares, com um desfiladeiro de 13 quilómetros, e que se situa no Parque Nacional do Pollino.

Trata-se de um percurso aconselhado apenas para caminhantes experientes, devido às muitas dificuldades que apresenta, e durante algum tempo esteve mesmo interditado, recordou a agência AGI.

Desde então, as autoridades locais regulamentaram de forma rígida o acesso a esta zona e colocaram placas nos rochedos para permitir às equipas de socorro identificar mais facilmente os locais, segundo a mesma fonte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.