Cinco pessoas detidas pelo envolvimento no ataque ao mercado Natal de Estrasburgo

Os detidos pertencem à mesma família e são suspeitos de terem fornecido a arma utilizada no ataque de dezembro que fez cinco mortos

Cinco pessoas suspeitas de estarem envolvidas no fornecimento da arma utilizada pelo autor do atentado de 11 de dezembro de 2018, em Estrasburgo, foram detidas esta terça-feira na Alsácia, no leste da França, segundo fontes próximas ao processo.

Os detidos, que estão sob custódia policial, pertencem à mesma família e são suspeitos, em diversos graus, de terem participado no fornecimento da pistola 8 mm a Chérif Chekatt, que matou cinco pessoas no bairro em que fica o mercado de Natal em Estrasburgo, no leste da França.

Os investigadores permanecem nesta fase "cautelosos em compartilhar responsabilidades", comentou uma das fontes.

As detenções deverão ajudar a esclarecer o papel de cada um dos suspeitos neste caso, incluindo o homem mais velho, de 78 anos.

Três outros homens, de 65, 34 e 32 anos, também foram detidos, assim como uma mulher de 57 anos.

A polícia da subdireção antiterrorista (SDAT) declarou que Chérif Chekatt é suspeito de ter obtido a arma de fogo poucos dias antes do atentado em Estrasburgo. A arma em questão é um revólver de calibre 8 mm que remonta ao final do século XIX.

Estado Islâmico revindicou o ataque

A 11 de dezembro, Chekatt disparou indiscriminadamente sobre pessoas que passeavam no mercado de Natal no centro de Estrasburgo, leste de França, e fugiu do local, acabando por ser detetado e morto a tiro pela polícia dois dias depois, num bairro da cidade.

O ataque ao mercado de Natal em Estrasburgo fez cinco mortos e 11 feridos.

Cherif Chekatt jurou lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) num vídeo, que foi apreendido pela polícia francesa.

O Estado Islâmico reivindicou, posteriormente, a responsabilidade pelo ataque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.