Cinco países, mais de 90 prisões. Máfia sofre duro golpe

Operação contra Ndrangheta fez detenções em Itália, Alemanha, Holanda, Bélgica e América do Sul

Uma operação contra membros da organização criminosa italiana Ndrangheta fez dezenas de detenções em Itália, na Alemanha, na Holanda, na Bélgica e na América do Sul, esta quarta-feira, avançou a agência Reuters.

Os detidos são suspeitos de tráfico de cocaína, lavagem de dinheiro, suborno e violência, anunciaram a polícia italiana e a agência europeia que supervisiona a cooperação judicial em investigações criminais.

Líder mafioso de Palermo detido

O foco da operação é a família Ndrangheta, uma das três maiores organizações criminosas italianas, que se estabeleceu em Locros, na região de Calábria. Camorra (em Nápoles), e Cosa Nostra (na Sicília), são as outras duas grandes famílias ligadas ao crime em Itália.

Esta operação aconteceu um dia depois da polícia ter anunciado as detenções do líder das famílias mafiosas de Palermo, Settimino Mineo, e de outros 45 suspeitos, numa grande operação que decorreu na Sicília e que levou a quatro investigações separadas.

"Este é um dos mais duros golpes infligidos pelo Estado à Máfia", disse esta terça-feira Luigi Di Maio, vice-primeiro-ministro italiano, citado pela Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.