Cinco figuras que a corrupção fez cair em desgraça

Os espanhóis voltam as costas à elite corrupta e a todos os que durante anos optaram por fechar os olhos à corrupção. De Aguirre a Barberá, passando por Urdangarín, os casos multiplicam-se

Durante anos, os seus nomes foram referências no mundo da política, economia ou desporto. Porém, a corrupção acabou por turvar quase todas as suas conquistas. Mesmo nos casos em que ainda não foram provadas as acusações, só o facto de afetarem pessoas próximas de si os abalou.

Esperanza Aguirre - Mulher forte do PP forçada a sair de cena

A primeira mulher a ser presidente de uma comunidade autónoma e a ocupar a presidência do Senado na história de Espanha, Esperanza Aguirre tem 65 anos. Ministra da Educação e da Cultura com José María Aznar, presidente da Comunidade de Madrid de 2003 a 2012, com maiorias absolutas e presidente do seu partido em Madrid, Aguirre é uma das figuras políticas mais importantes de Espanha. Durante os últimos anos houve pessoas do seu círculo próximo relacionadas com casos de corrupção, sendo o suposto financiamento ilegal do PP em Madrid um dos assuntos que mais danos lhe causou, sem estar provado o seu envolvimento. A saída de cena de Aguirre (que até há dias ocupava o cargo de porta--voz e conselheira do Partido Popular na Câmara Municipal de Madrid) aconteceu depois da detenção de Ignacio González, por desviar fundos públicos para contas no estrangeiro. Foi ele o seu número dois na Comunidade de Madrid e a pessoa que ela deixou à frente do governo regional depois da sua saída, por motivos de saúde, em 2012.

Jordi Pujol - Referência catalã admitiu fortuna oculta

Presidente da Generalitat, o governo catalão, durante 23 anos, Jordi Pujol é uma referência na região. Esteve no poder com cómodas maiorias e sem o desgaste que vivem muitos políticos. Símbolo do catalanismo, a sua trajetória política esteve marcada pela sua capacidade de chegar a acordos com forças políticas não catalãs no Parlamento espanhol. Em 2014, Jordi Pujol, de 86 anos, reconheceu publicamente que a sua família teve fundos ocultos em paraísos fiscais durante décadas. Meses antes, conheciam-se diferentes escândalos de vários dos seus sete filhos por tráfico de influências num caso de adjudicações públicas. Há uma semana, o seu filho primogénito, Jordi Pujol Ferrusola, ingressou na prisão pela suposta evasão fiscal de 30 milhões de euros. Corrupção, fraude e branqueamento de capitais na família de quem foi o símbolo da Catalunha e considerado um político honesto. Também a família política de Pujol, a extinta CDC, está envolvida em casos de corrupção. Famoso ficou o pagamento de 3% de comissões por empresas ao partido em troca de contratos públicos.

Rodrigo Rato - O ex-líder do FMI que se arrisca a acabar na prisão
O brilhante percurso político e económico de Rodrigo Rato, de 68 anos, caiu por terra, em abril de 2015, quando foi detido por fraude e branqueamento de capitais. O ex-vice-primeiro--ministro espanhol, ex-diretor--geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) e ex-presidente do Bankia foi investigado pela Procuradoria de Madrid por alegado branqueamento de capitais. A boa imagem de Rodrigo Rato, ícone do PP e homem-forte da recuperação económica de Espanha entre 1996 e 2000, começou a desvanecer. Também foi investigada a sua conduta enquanto dirigente do Bankia - nomeadamente no que toca à aprovação da entrada do banco na Bolsa - e no caso dos cartões de crédito fantasmas para quadros do banco. Aí, foi condenado a quatro anos de prisão. Por agora, conseguiu evitar ir para cadeia, encontrando-se a aguardar a avaliação do recurso interposto junto do Supremo Tribunal. No final de 2003, o seu nome era um dos mais falados para suceder a Aznar na liderança do PP, mas o seu percurso profissional acabou por seguir um caminho bem diferente.

Iñaki Urdangarín - O desportista que envergonhou a família real
Ex-capitão da seleção espanhola de andebol, Iñaki Urdangarín casou em 1997 com a infanta Cristina, a filha mais nova do rei Juan Carlos.Durante anos foram considerados um casal-modelo, pais de quatro filhos. Mas o nome de ambos acabou por ser envolvido num novo caso de corrupção que, pela primeira vez, levou ao banco dos réus um membro da Casa Real espanhola. A investigação teve início em 2006, quando o jornal El Mundo denunciou pagamentos indevidos feitos ao Instituto Nóos, uma fundação dedicada ao desporto e sem fins lucrativos com sede em Palma de Maiorca, fundada e presidida por Iñaki Urdangarín entre 2004 e 2006. Só em 2011 teria início a investigação oficial e a acusação foi formalizada em 2014. A 17 de fevereiro deste ano, Urdangarín, de 49 anos, foi condenado a seis anos e três meses de prisão por prevaricação, fraude, tráfico de influências e a uma multa de 512 mil euros. Tudo no âmbito do caso Nóos. Mantém-se em liberdade condicional. A infanta Cristina, irmã do rei Felipe VI, foi absolvida no mesmo processo.

Rita Barberá - A senadora que acabou isolada e morreu só

Ex-senadora do Partido Popular e ex-presidente da Câmara de Valência (cargo que ocupou durante 24 anos), Rita Barberá (morreu a 23 de novembro de 2016 com 68 anos) teve um percurso político sempre marcado por suspeitas em vários casos de corrupção. Apesar de estar envolvida em acontecimentos polémicos e de ter sido acusada em várias ocasiões, foi absolvida e só pisou um tribunal dois dias antes da sua morte, de um enfarte. Todas as suspeitas e acusações por parte dos partidos da oposição deixaram Rita Barberá sozinha dentro da sua família política, o PP. Abandonou o grupo do PP no Senado e aderiu ao Grupo Misto, na mesma Câmara, depois de ter sido novamente acusada de corrupção, no caso Taula. Vários dirigentes do PP foram detidos por branqueamento de capitais e financiamento ilegal do partido. Antes da sua morte, ainda militante do PP, Rita Barberá negou "absolutamente" a existência de contabilidade paralela no partido em Valência, admitindo apenas ter efetuado uma doação de mil euros para a campanha eleitoral dos populares.

Em Madrid

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.