Cinco ex-presidentes juntam-se para apoiar vítimas de furacões

Já foram angariados 31 milhões de dólares (26 milhões de euros)

Os cinco antigos Presidentes dos Estados Unidos ainda vivos juntaram-se pela primeira vez desde 2013, no sábado, num concerto para angariar dinheiro para as vítimas dos furacões no Texas, Florida, Porto Rico e nas Ilhas Virgens norte-americanas.

Os democratas Barack Obama, Bill Clinton e Jimmy Carter e os republicanos George H.W. e George W. Bush juntaram-se em palco em College Station, Texas, onde fica a Texas A&M University, apelando à união do país após as tempestades.

A Texas A&M University acolhe a biblioteca presidencial do Bush mais velho. Com 93 anos, o antigo Presidente, que sofre de Parkinson, surgiu de cadeira de rodas.

Desde que foi lançado o apelo, apoiado pelos antigos chefes de Estado, a 07 de setembro, já foram angariados 31 milhões de dólares (26 milhões de euros), segundo Jim McGrath, porta-voz de George H.W. Bush.

Mais cedo, no sábado, o Presidente Donald Trump gravou um vídeo a apoiar a iniciativa: "Este maravilhoso esforço lembra-nos que somos, de facto, uma nação sob [o olhar de] Deus, unidos pelos nossos valores e devoção pelo outro".

A última vez que os cinco estiveram juntos foi em 2013, quando Obama era Presidente, na inauguração da biblioteca presidencial de George W. Bush, em Dallas.

Não é a primeira vez que ex-presidentes se juntam para angariar dinheiro após cenários de desastre. George H.W. Bush e Bill Clinton juntaram forças após o tsunami de 2004 no sudeste asiático e após o furacão Katrina, no ano seguinte. Clinton e George W. Bush também apelaram a doações após o sismo no Haiti, em 2011.

O furacão Harvey atingiu o Texas, em categoria 4, a 25 de agosto, gerando inundações históricas em Houston e matando mais de 80 pessoas. Pouco tempo depois, os cinco ex-presidentes surgiram juntos num anúncio a incentivar a angariação de fundos, conhecido como "One America Appeal".

O furacão Irma atingiu depois a Florida e o furacão Maria devastou Porto Rico -- ambos afetaram as Ilhas Virgens dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.