Cimeira UE-Japão adiada para 17 de julho devido às inundações no país

O encontro iria realizar-se esta quarta-feira, mas vai ser adiado devido às cheias no país que já mataram mais de 100 pessoas

A Comissão Europeia anunciou que a Cimeira União Europeia-Japão, inicialmente agendada para esta quarta-feira em Bruxelas e adiada devido às inundações que causaram mais de 100 mortos no país asiático, irá realizar-se a 17 de julho em Tóquio.

"O presidente Juncker falou com o primeiro-ministro do Japão há poucos minutos. Durante esta conversa, o presidente Juncker expressou as suas condolências ao primeiro-ministro japonês pela perda de vidas resultante das terríveis cheias que afetaram o Japão", informou o porta-voz do executivo comunitário, na conferência de imprensa diária da instituição.

Margaritis Schinas disse que Jean-Claude Juncker disse a Shinzo Abe que a União Europeia (UE) está preparada para prestar qualquer apoio às autoridades japonesas, manifestando ainda a sua solidariedade para com o povo japonês.

"Tendo em conta estes acontecimentos, a UE e o Japão acordaram que a cimeira prevista para esta quarta-feira realizar-se-á em Tóquio na próxima semana, em 17 de julho", comunicou.

Na cimeira desta semana, o bloco comunitário e o Governo japonês tinham previsto assinar um acordo económico.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, cancelou a viagem prevista à Europa e ao Médio Oriente para coordenar pessoalmente os trabalhos de assistência às vítimas e para visitar as zonas afetadas pelas inundações.

Também o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, expressou, numa publicação no Twitter, as suas "sentidas condolências" pelo desastre natural que afetou o Japão, e assegurou que a UE ajudará o país "de qualquer forma que seja necessária".

"Agora, os nossos pensamentos estão com as corajosas equipas de socorro, os serviços de emergência, e os voluntários envolvidos nas operações de busca e resgate, que fazem todos os possíveis para salvar vidas e ajudar as pessoas que precisam. A UE está preparada para proporcionar qualquer assistência aos amigos japoneses", sublinharam, num comunicado conjunto, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, e o comissário para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides.

Mais de 100 pessoas morreram na sequência das chuvas torrenciais, inundações e aluimentos de terra que atingiram o oeste do Japão.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."