Cimeira de "dois ditadores" em Singapura, diz canal favorito de Trump

Apresentadora pediu desculpa por ter dito que encontro entre os líderes dos EUA e Coreia do Note seria uma "reunião entre dois ditadores".

Uma apresentadora da Fox News, a estação televisiva preferida de Donald Trump, desculpou-se domingo por se ter referido à cimeira entre os presidentes dos EUA e da Coreia do Norte como uma reunião entre "dois ditadores".

Abby Huntsman estava em direto no programa Fox & Friends quando, já com o Air Force One de Trump na pista da base militar em Singapura, afirmou: "Independentemente do que acontece naquele encontro entre os dois ditadores, o que estamos a assistir agora é histórico."

A cimeira entre Donald Trump e Kim Jung-un está agendada para terça-feira, em Singapura, com os EUA a quererem eliminar as armas nucleares da Coreia do Norte e este país a desejar o fim das sanções económicas impostas pela comunidade internacional.

Com a apresentadora, que é filha do embaixador dos EUA na Rússia, estava Anthony Scaramucci, que durante 11 dias foi diretor de comunicações de Donald Trump (em 2017), que interveio sem se aperceber do que Abby Huntsman tinha dito.

O pedido de desculpas da apresentadora surgiu ainda antes do final do programa: "Como às vezes acontece ao vivo, nem sempre se dizem as coisas de forma perfeita. Chamei a ambos, o presidente Trump e Kim Jong-un, ditadores. Não quis dizer isso, foi erro meu e por isso peço desculpas."

Note-se que a preferência de Trump pela Foz News e em particular pelo Fox & Friends levou recentemente o chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson, a lançar um apelo ao presidente dos EUA para não cancelar o acordo sobre o programa nuclear do Irão através de uma entrevista aos apresentadores daquele programa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.