Cidade chinesa cria uma faixa só para peões utilizadores de telemóveis

Tem 80 centímetros de largura e 100 metros de comprimento. Só pode ser usada por quem está a usar o telemóvel

Caminhar atrás de alguém que está a mandar uma mensagem pode ser desagradável. Entre paragens e arranques, não são raros os empurrões. Foi para evitar esse tipo de situações que a cidade de Xi'an, no norte da China, criou uma faixa especial para "phubbers", pessoas que ignoram o que está a sua volta porque não conseguem tirar os olhos do telemóvel.

O Shaanxi Online News, citado pela BBC, explica que a via está pintada de vermelho, verde e azul. Tem 80 centímetros de largura e 100 metros de comprimento. Ao longo do percurso, várias imagens de smartphones indicam que aquela é uma pista para quem não consegue desligar-se.

O site de notícias The Paper, que entrevistou vários moradores, diz que a iniciativa foi recebida com agrado. "Hoje em dia, a vida das pessoas jovens é rápida, e elas estão sempre a olhar para os telemóveis. Isso coloca as nossas mentes em repouso", disse Hu Shuya.

Esta não é, no entanto, a primeira notícia do género na China. Em 2014, a cidade de Chongqing também criou uma via de 50 metros de comprimento e três de largura com o mesmo propósito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.