Sem-abrigo português encontrado morto em Londres fora deportado duas vezes

Governo português ainda não foi capaz de contactar a família

O cidadão português que foi encontrado morto na quarta-feira nas ruas de Londres foi deportado duas vezes do Reino Unido, disse esta sexta-feira fonte do Governo, que adiantou que ainda não foi possível contactar a família do homem.

Em comunicado, o gabinete do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas revelou que o homem "estava inscrito no consulado geral de Portugal em Londres desde 2008".

O cidadão foi deportado para Portugal pelas autoridades britânicas em 2014, tendo sido apoiado através da colaboração entre a Direção Geral de Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas e a Segurança Social.

Na segunda deportação, em 2016, o homem foi deportado por "se encontrar ilegalmente" no Reino Unido, "sem que tivesse sido formulado qualquer pedido de apoio aos serviços consulares".

Depois dessa data, acrescenta a mesma fonte do gabinete de José Luís Carneiro, as autoridades portuguesas "não voltaram a ter registo da permanência do cidadão em território britânico".

O Governo adianta que os serviços consulares de Portugal em Londres "têm procurado contactar a família do cidadão português falecido em circunstâncias trágicas na capital britânica, o que ainda não se revelou possível".

Segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), "não é conhecida a existência de familiares diretos deste cidadão em Portugal, sabendo-se que poderão residir noutros países, nomeadamente em Angola, onde o cidadão tinha raízes familiares".

Os serviços consulares, acrescenta o mesmo comunicado, continuam a "acompanhar este processo, junto das autoridades britânicas", nomeadamente no que diz respeito à identificação, autópsia e aos procedimentos administrativos relacionados com a libertação do corpo e o registo do óbito.

A polícia britânica, contactada hoje pela agência Lusa, referiu que está a preparar um relatório sobre este caso para entregar ao 'coroner ', o juiz de instrução que dirige o inquérito a mortes inesperadas sem causa natural.

Esta quinta-feira, o Governo português confirmou a morte do cidadão português, de 35 anos, que as autoridades locais tinham identificado como um sem-abrigo.

O alerta tinha sido dado na quarta-feira, pelas 07:16, quando foi descoberto um homem sem respirar na estação de metro de Westminster, levando à chamada dos serviços de emergência.

O incidente gerou alguma controvérsia por o homem ter sido encontrado perto do parlamento britânico, levando o líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, a deixar um cartão de condolências e flores.

Hoje, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte do cidadão português, "em circunstâncias desumanas".

O chefe de Estado português manifestou também a sua "solidariedade para com as pessoas que vivem em condições precárias, sem teto ou sem casa, apelando ao esforço de todos para a sua inclusão na sociedade", acrescentava a nota, publicada hoje de manhã no portal da Presidência da República.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.