Sem-abrigo português encontrado morto em Londres fora deportado duas vezes

Governo português ainda não foi capaz de contactar a família

O cidadão português que foi encontrado morto na quarta-feira nas ruas de Londres foi deportado duas vezes do Reino Unido, disse esta sexta-feira fonte do Governo, que adiantou que ainda não foi possível contactar a família do homem.

Em comunicado, o gabinete do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas revelou que o homem "estava inscrito no consulado geral de Portugal em Londres desde 2008".

O cidadão foi deportado para Portugal pelas autoridades britânicas em 2014, tendo sido apoiado através da colaboração entre a Direção Geral de Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas e a Segurança Social.

Na segunda deportação, em 2016, o homem foi deportado por "se encontrar ilegalmente" no Reino Unido, "sem que tivesse sido formulado qualquer pedido de apoio aos serviços consulares".

Depois dessa data, acrescenta a mesma fonte do gabinete de José Luís Carneiro, as autoridades portuguesas "não voltaram a ter registo da permanência do cidadão em território britânico".

O Governo adianta que os serviços consulares de Portugal em Londres "têm procurado contactar a família do cidadão português falecido em circunstâncias trágicas na capital britânica, o que ainda não se revelou possível".

Segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), "não é conhecida a existência de familiares diretos deste cidadão em Portugal, sabendo-se que poderão residir noutros países, nomeadamente em Angola, onde o cidadão tinha raízes familiares".

Os serviços consulares, acrescenta o mesmo comunicado, continuam a "acompanhar este processo, junto das autoridades britânicas", nomeadamente no que diz respeito à identificação, autópsia e aos procedimentos administrativos relacionados com a libertação do corpo e o registo do óbito.

A polícia britânica, contactada hoje pela agência Lusa, referiu que está a preparar um relatório sobre este caso para entregar ao 'coroner ', o juiz de instrução que dirige o inquérito a mortes inesperadas sem causa natural.

Esta quinta-feira, o Governo português confirmou a morte do cidadão português, de 35 anos, que as autoridades locais tinham identificado como um sem-abrigo.

O alerta tinha sido dado na quarta-feira, pelas 07:16, quando foi descoberto um homem sem respirar na estação de metro de Westminster, levando à chamada dos serviços de emergência.

O incidente gerou alguma controvérsia por o homem ter sido encontrado perto do parlamento britânico, levando o líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, a deixar um cartão de condolências e flores.

Hoje, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte do cidadão português, "em circunstâncias desumanas".

O chefe de Estado português manifestou também a sua "solidariedade para com as pessoas que vivem em condições precárias, sem teto ou sem casa, apelando ao esforço de todos para a sua inclusão na sociedade", acrescentava a nota, publicada hoje de manhã no portal da Presidência da República.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.