Ciberataques custam à Austrália mais de 4,4 mil milhões de euros por ano

Casas na Austrália têm em média 17 aparelhos ligados à internet

Milhares de ciberataques custam anualmente mais de 4,4 mil milhões de euros a empresas e cidadãos australianos, afirmou esta quinta-feira o primeiro-ministro Malcolm Turnbull.

Desde 2016, as autoridades já responderam a mais de 14 mil ciberataques por parte de agências ou países estrangeiros, precisou Turnbull.

"Trinta e três universidades foram alvo de uma campanha do Irão como parte de uma tentativa complexa de roubar propriedade intelectual e investigações académicas", acrescentou o governante, na inauguração do Australian Cybersecurity Center.

Ataques maliciosos como o "WannaCry", um vírus informático que se aproveita de uma vulnerabilidade no sistema operativo, também têm como alvo infraestruturas críticas no país, como hospitais, disse Turnbull.

De acordo com dados oficiais, as casas na Austrália têm, em média, 17 dispositivos conectados à internet. O volume de 'downloads' aumentou 43% entre 2016 e 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.