Ciberataques custam à Austrália mais de 4,4 mil milhões de euros por ano

Casas na Austrália têm em média 17 aparelhos ligados à internet

Milhares de ciberataques custam anualmente mais de 4,4 mil milhões de euros a empresas e cidadãos australianos, afirmou esta quinta-feira o primeiro-ministro Malcolm Turnbull.

Desde 2016, as autoridades já responderam a mais de 14 mil ciberataques por parte de agências ou países estrangeiros, precisou Turnbull.

"Trinta e três universidades foram alvo de uma campanha do Irão como parte de uma tentativa complexa de roubar propriedade intelectual e investigações académicas", acrescentou o governante, na inauguração do Australian Cybersecurity Center.

Ataques maliciosos como o "WannaCry", um vírus informático que se aproveita de uma vulnerabilidade no sistema operativo, também têm como alvo infraestruturas críticas no país, como hospitais, disse Turnbull.

De acordo com dados oficiais, as casas na Austrália têm, em média, 17 dispositivos conectados à internet. O volume de 'downloads' aumentou 43% entre 2016 e 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".