Ciberataques custam à Austrália mais de 4,4 mil milhões de euros por ano

Casas na Austrália têm em média 17 aparelhos ligados à internet

Milhares de ciberataques custam anualmente mais de 4,4 mil milhões de euros a empresas e cidadãos australianos, afirmou esta quinta-feira o primeiro-ministro Malcolm Turnbull.

Desde 2016, as autoridades já responderam a mais de 14 mil ciberataques por parte de agências ou países estrangeiros, precisou Turnbull.

"Trinta e três universidades foram alvo de uma campanha do Irão como parte de uma tentativa complexa de roubar propriedade intelectual e investigações académicas", acrescentou o governante, na inauguração do Australian Cybersecurity Center.

Ataques maliciosos como o "WannaCry", um vírus informático que se aproveita de uma vulnerabilidade no sistema operativo, também têm como alvo infraestruturas críticas no país, como hospitais, disse Turnbull.

De acordo com dados oficiais, as casas na Austrália têm, em média, 17 dispositivos conectados à internet. O volume de 'downloads' aumentou 43% entre 2016 e 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.