CIA acusa Wikileaks de ajudar inimigos da América

Agência de espionagem reagiu oficialmente à publicação de informações sobre programas de espionagem em telemóveis e outros aparelhos de comunicações

A Agência Central de Inteligência (CIA) dos EUA acusou a organização WikiLeaks de colocar em perigo os cidadãos do país, ajudar seus inimigos e dificultar a luta de Washington contra as ameaças terroristas, após as revelações feitas pelo site sobre as ferramentas de espionagem da agência.

Segundo a AFP, um porta-voz da CIA não quis confirmar a autenticidade dos materiais publicados pela WikiLeaks. No entanto, "tais divulgações não só comprometem o pessoal e as operações dos EUA, mas também equipam os adversários com ferramentas e informações para nos prejudicar", disse a porta-voz da CIA, Heather Horniak.

A rede de divulgação de informações secretas Wikileaks divulgou hoje a primeira parte de uma nova série de novos documentos confidenciais, desta vez denunciando as técnicas da CIA para piratear equipamentos informáticos e de comunicações.

Os milhares de documentos mostram as tentativas e as conversas dentro da CIA e com elementos externos sobre as tentativas de utilizar aparelhos de uso diários, como os telemóveis inteligentes iPhone da Apple, o sistema Android da Google e o Windows da Microsoft, e as 'Smart TV' da Samsung.

A Wkileaks, num longo comunicado sobre esta divulgação, explica que "recentemente" a CIA perdeu o controlo de um enorme conjunto de ferramentas de 'hackng' [introdução nos sistemas informáticos alheios] e de documentos associados a essa atividade.

"O arquivo parece ter circulado entre antigos hackers do Governo e empreiteiros de forma não autorizada" e um deles "deu à Wikileaks acesso a partes do arquivo", lê-se no comunicado citado pela AP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.