Chuvas torrenciais provocam pelo menos dez mortos na Grécia

Automóveis arrastados pelas águas, edifícios inundados, ruas convertidas em lamaçais, pessoas refugiadas nos telhados: o cenário após tempestade

As chuvas torrenciais que hoje afetaram diversos municípios da região da Ática, a oeste de Atenas, provocaram pelo menos dez mortos, 13 feridos e inúmeros danos materiais, refere um novo balanço das autoridades gregas.

Automóveis arrastados pelas correntes de água, edifícios inundados, ruas convertidas em lamaçais, pessoas refugiadas nos telhados de edifícios foram algumas das imagens divulgadas e que confirmaram a dimensão da catástrofe.

Em alguns pontos, a água no interior e no exterior dos edifícios chegou a atingir os dois metros de altura, refere a agência noticiosa Efe.

O corpo de bombeiros confirmou a morte de dez pessoas, apesar de se recear que o número de vítimas possa aumentar, e quando permanecem vários desaparecidos.

Oito das dez vítimas foram encontradas na localidade de Mandra, a mais afetada e situada a cerca de 20 quilómetros de Atenas, algumas no interior das suas casas e outras nos pátios.

Em poucos minutos, as ruas de Mandra converteram-se em torrentes, devido às chuvas e ao deslizamento de terra e de rochas das montanhas circundantes.

As autoridades encontraram os corpos de dois homens a flutuar no mar, junto a Eleusis, 18 quilómetros a oeste de Atenas, e duas outras vítimas junto a uma gasolineira que ficou isolada devido às chuvas.

Pelo menos 13 pessoas ficaram feridas e foram internadas em diversos hospitais, uma delas em estado muito grave.

O primeiro-ministro, Alexis Tsipras, convocou para esta tarde diversos ministros para uma reunião em que será feito o primeiro balanço dos prejuízos e analisadas as prioridades imediatas.

Nos três municípios afetados foi decretado o estado de emergência.

A catástrofe nesta zona dos arredores da capital da Grécia ocorreu um dia após ter sido declarado o estado de emergência na ilha de Simi, no arquipélago do Dodecaneso, devido a graves inundações que deixaram numerosos estragos, mas não causaram vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.