Chocolates por obrigação. Japonesas querem acabar com tradição do Dia dos Namorados

Mulheres japonesas são obrigadas a oferecer chocolates aos colegas de trabalho a 14 de fevereiro e a gastar milhares de ienes. Mas querem acabar com o 'giri choco'.

Nos países onde se assinala o Dia dos Namorados, a ocasião resume-se a jantares e ofertas românticas entre o casal. Mas, no Japão, a tradição manda que as mulheres ofereçam chocolates a todos os homens da sua vida, inclusivamente aos colegas de trabalho.

Só que as japonesas estão cansadas de serem obrigadas a gastar milhares de ienes na data que lhes é imposta: de acordo com o costume, chamado de 'giri choco' - que significa, em tradução literal, chocolates por obrigação - as mulheres devem oferecer chocolates aos colegas no dia de São Valentim, 14 de fevereiro, e os homens devem retribuir no dia 16 de março, o White Day (Dia Branco, numa tradução literal), uma data iniciada pelas empresas de chocolates nos anos 80 do século passado, para subir as vendas.

Atualmente, algumas empresas já baniram a tradição, considerada um abuso de poder masculino e uma prática de assédio ao sexo feminino. Segundo o The Guardian, cada vez há menos adesão por parte do sexo feminino ao 'giri choco': um estudo mostra que, no próximo dia 14 de fevereiro, 60% das mulheres japonesas não vão aderir ao 'giri choco', optando por comprar chocolates para si próprias, 56% vão oferecer a familiares e 36% ao seu namorado ou apaixonado.

De acordo com um inquérito feito por uma loja em Tóquio, apenas 35% da população feminina planeia manter a tradição e oferecer chocolates aos homens do seu local de trabalho. Uma das entrevistadas mostrou-se feliz por a oferta já não ser considerada obrigatória. "Antes da proibição tínhamos que nos preocupar com o quanto é apropriado gastar e a quem deveríamos oferecer os chocolates. É bom já não existir esta cultura de doação forçada" contou ao Japan Today.

Com a falta de adesão ao 'giri choco', outro fenómeno está a ascender: o 'gyaku choco', em que os homens oferecem chocolates às namoradas ou mulheres. E várias marcas de chocolates têm vindo apoiar a luta feminina no Japão através dos anúncios."O dia de São Valentim é um dia em que as pessoas devem mostrar os seus verdadeiros sentimentos e não coordenar as suas relações no trabalho" podia-se ler no anúncio do passado Dia dos Namorados da marca de chocolates belga Godiva. A companhia Japan Airlines também mostrará o seu apoio oferecendo chocolates aos seus passageiros de ambos os sexos no próximo dia 14 de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.