Chirajara: a implosão da ponte que nunca o chegou a ser

Um dos pilares da estrutura que ia ligar dois túneis na autoestrada entre Bogotá e Villavicencio desabou em janeiro, matando nove trabalhadores. O outro foi agora demolido. Veja o vídeo.

Foram precisos 200 quilos de explosivos, três mil metros de cabos, 30 detonadores e menos de um minuto para implodir o que restava da ponte de Chirajara, que nunca chegou a ficar concluída na autoestrada que liga Bogotá a Villavicencio. Um dos pilares desabou a 15 de janeiro, matando nove trabalhadores. O outro foi agora abaixo numa explosão controlada.

O acidente em janeiro foi provocado por uma falha no desenho da ponte, tendo sido colocada uma viga que não era suficientemente resistente para suportar o peso da infraestrutura. A ponte tinha mais de 280 metros de altura e, quando ficasse concluída, uma extensão de 446 metros. Devia ligar dois túneis num dos troços da autoestrada, que esteve fechada ao trânsito durante a operação.

As autoridades colombianas responsabilizaram o concessionário privado que estava encarregue da construção, a Coviandes, pelo ocorrido, tendo sido aberto uma investigação pela Procuradoria-Geral da Colômbia.

A investigação revelou que o pilar C, o único que restava, apresentava os mesmos erros de desenho do que o que caiu, pelo que tinha que ser demolido.

O custo total do projeto era de mais de 75 milhões de pesos colombianos (mais de 20 mil euros). A ponte estava a ser construída desde 2014 e devia ter sido inaugurada em março de 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.