China quer construir comboio de levitação magnética mais rápido do mundo

Comboio deverá chegar aos 600 quilómetros por hora

A China pretende construir o comboio de levitação magnética (Maglev) mais rápido do mundo, capaz de atingir uma velocidade de 600 quilómetros por hora, noticiou hoje a agência oficial Xinhua.

A obra, cujos prazos não foram avançados, estará a cargo da empresa estatal chinesa líder na produção de material ferroviário, a CRRC, que começará com a construção de uma linha de, no mínimo, cinco quilómetros para testar o comboio.

Para obter contratos com o estrangeiro, a CRRC vai trabalhar na construção de comboios de levitaçãomagnética que alcancem 200 quilómetros por hora, para consolidar a tecnologia na China e poder exportá-la, assinalou Sun Bangcheng, representante da empresa.

Nos planos da companhia estão também a investigação e o desenvolvimento de comboios de alta velocidade de circulação transfronteiriça, que podem atingir 400 quilómetros por hora.

Estas composições consomem menos de 10 por cento de energia face às que são usadas em todo o país, e que circulam a uma velocidade máxima de 350 quilómetros por hora.

A China, que tem a maior rede ferroviária de alta velocidade do mundo, com mais de 20 mil quilómetros de linhas, tem a funcionar, desde 2016, o seu primeiro comboio Maglev, de desenho e fabrico chinês, capaz de atingir 100 quilómetros por hora, na cidade de Changsha.

Nos arredores de Xangai e no aeroporto internacional Xangai Pudong já circula, desde 2004, um comboio Maglev, mas de tecnologia alemã.

O Japão continua a ser líder nos comboios Maglev de super alta velocidade.

O modelo em que trabalha atualmente chegou a superar os 600 quilómetros por hora, em fase de provas. Contudo, as autoridades nipónicas estimam que, quando começar a operar, em 2027, a velocidade máxima da composição não ultrapassará os 500 quilómetros por hora.

Um comboio de levitação magnética circula numa linha elevada sobre o chão e é propulsionado pelas forças atrativas e repulsivas do magnetismo, por meio de supercondutores.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.